‘Vivemos tempos estranhos’, diz ministro do STF sobre encontro de Lula e Mendes

Segundo informações da revista Veja, o ex-presidente Lula procurou o ministro Gilmar Mendes para adiar julgamento do mensalão

Wilson Lima, iG Brasília |

Divulgação/STF
Marco Aurélio disse que o Brasil vive tempos estranhos ao comentar suposto lobby de Lula no julgamento do mensalão
Ao comentar a informação divulgada neste final de semana pele revista Veja, segundo a qual o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teria procurado o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, para negociar o adiamento do julgamento do mensalão , o ministro Marco Aurélio de Mello afirmou que o país “vive tempos muito estranhos”.

Leia também: 'Julgamento do mensalão terá sessões especiais', diz Ayres Britto

Segundo a revista Veja, o ex-presidente ofereceu em troca blindagem à Mendes na CPI do Cachoeira . O ministro do STF é citado nos grampos feitos pela Polícia Federal (PF) durante as investigações da Operação Monte Carlo. No entanto, segundo a PF, Mendes faz parte das pessoas que, mesmo sendo citadas por membros do grupo de Cachoeira , não tinham envolvimento com o esquema comandado pelo bicheiro. Na conversa, Lula teria dito ser inconveniente o julgamento do mensalão em ano eleitoral.

“O melhor enfoque foi do próprio ministro Gilmar Mendes, que se diz perplexo. Agora revela que vivenciamos tempos muito estranhos”, disse o ministro Marco Aurélio de Mello sobre o encontro de Lula e Mendes. “Imagina que se nesse patamar (no Supremo) nós constamos fatos dessa natureza, o que se dirá na primeira instância? E aí é impensável”, complementou.

O julgamento dos 38 réus do escândalo que marcou a maior crise política do governo do ex-presidente deve ser iniciado nos próximos dois meses. Na semana passada, o presidente do STF, Ayres Britto, realizou uma sessão administrativa para concluir a formatação do julgamento. Por um acordo prévio entre os ministros, o mensalão deve ser julgado, em seis ou sete semanas seguidas , nas segundas, quartas e quintas-feiras. A tendência é que na próxima terça-feira isso seja definido.

O caso ainda não entrou na pauta de julgamentos do STF porque o ministro revisor, Ricardo Lewandowski, ainda não liberou o seu voto. A expectativa é que isso aconteça nas próximas semanas. Nas simulações de datas de julgamento, Britto aposta em dois inícios: meados de junho ou início de agosto.

Mais mensalão: Entenda as acusações contra cada um dos réus no processo

Nas últimas semanas, os ministros do STF vem recebendo pressões contrárias ou a favor do julgamento imediato do mensalão. Publicamente eles afirmam que não serão cooptados por pressões de qualquer espécie. Em encontro na Bahia, nesta sexta-feira última, Britto disse que os ministros estavam “vacinados contra todo tipo de pressão”. “Não que sejamos indiferentes a reclamos sociais e populares legítimos, mas, por mais emocional, passional e até política que seja a ambiência de determinado processo, nosso dever é julgá-lo com isenção e imparcialidade, observando as normas técnicas regente”, disse Britto.

“É uma questão técnica. O julgamento (do mensalão) não é um ato politico eleitoral. Ou seja, a jurisdição não cessa pelo fato de no ano eleitoral nós termos eleições”, corroborou o ministro Marco Aurélio neste sábado. “Existe uma potencialização do processo quando nós julgamos outros processos importantíssimos em termos nacionais. Para mim processo não tem capa, tem conteúdo apenas”, complementou.

    Leia tudo sobre: mensalãojulgamentoSTF

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG