Para senador tucano, previsão de fracasso da CPI é precipitada

Álvaro Dias (PSDB-PR) afirmou, em pronunciamento nesta sexta-feira, que a comissão que investiga Cachoeira está avançando, apesar das críticas

iG São Paulo |

O senador Álvaro Dias (PSDB-PR) considera precipitado qualquer julgamento sobre o desfecho da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga as relações do grupo comandado pelo contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, com autoridades, políticos e empresários. Em pronunciamento nesta sexta-feira, o tucano disse que há número de assinaturas suficiente para a quebra de sigilo bancário, fiscal e telefônico da empresa Delta e para a convocação do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB). 

Leia mais: Ministro do STF derruba sigilo de parte das investigações sobre Cachoeira

Leia também: CPI adia votação de quebra dos sigilos da Delta e convocação de governadores

Mais CPI: Senador do PSOL diz que comissão está 'patinando' e 'não quer avançar'

Com a quebra do sigilo da Delta, o senador disse esperar muitas revelações de “promiscuidade” do poder público com a empreiteira responsável por obras em vários estados. Álvaro Dias manifestou seu desejo de que os críticos mais contundentes da CPI possam, no final, se decepcionar com o que vem por aí.

"Sinceramente, desejo que eles se frustrem, porque quem ganhará com isso será o País. Não apenas a instituição parlamentar se revitalizará, reconquistando a credibilidade perdida, mas certamente oferecerá satisfação à sociedade brasileira, por cumprir o seu dever em um momento crucial para a credibilidade das instituições públicas", afirmou o senador. 

O parlamentar afirmou que, “apesar de alguns cenários impróprios”, a CPI avança. Um fato que ele considerou importante foi a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski revogando parte do sigilo judicial imposto aos inquéritos das operações Vegas e Monte Carlo, que desvendaram supostas relações do contraventor com políticos e cujos documentos estão em poder da CPI. 

Com Agência Senado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG