'O que a gente queria era o veto total', lamenta coordenador do Greenpeace

Márcio Astrini reclamou da falta de detalhamento dos vetos feitos pela presidenta Dilma Rousseff: 'O Brasil dorme hoje sem saber qual é o seu Código Florestal'

iG São Paulo |

O coordenador de campanhas da organização não governamental (ONG) Greenpeace, Márcio Astrini, criticou nesta sexta-feira a falta de detalhamento dos vetos e modificações ao texto do Código Florestal, anunciados no início da tarde pelo governo federal. 

Leia mais: Líder do governo diz que MP do Código Florestal fortalece Brasil na Rio+20

Leia também: Dilma veta 12 pontos do Código Florestal e derruba anistia a desmatador

Entenda: Saiba quais os principais pontos do Código Florestal aprovado pela Câmara

A presidenta Dilma Rousseff decidiu vetar 12 itens e fazer 32 modificações ao texto aprovado pela Câmara dos Deputados, mas as alterações não foram detalhadas e só serão divulgadas na próxima segunda-feira (28), com a publicação do texto final no Diário Oficial da União e o encaminhamento da comunicação dos vetos ao Congresso Nacional.

“O Brasil dorme hoje sem saber qual é o seu Código Florestal, qual o texto que vai ser alterado pela caneta da Dilma. A gente esperava que de fato o governo divulgasse alguma coisa, mas o que vimos foram apenas discursos para não dizer nada à sociedade, não explicar que alterações serão feitas na segunda-feira”, criticou Astrini. 

A principal modificação feita ao texto é a mudança nas regras para recomposição de areas de Preservação Permanente (APPs) de margens de rios, para substituir o Artigo 61 do código aprovado pela Câmara no fim de abril. O texto só exigia a recuperação da vegetação de APPs ao longo de rios com, no máximo, dez metros de largura. E não previa nenhuma obrigatoriedade de recuperação dessas áreas nas margens dos rios mais largos.

Com a alteração anunciada nesta sexta, os produtores rurais terão que recompor entre cinco e 100 metros de vegetação nativa das APPs nas margens dos rios, dependendo do tamanho da propriedade e da largura dos rios que cortam os imóveis rurais.

Na avaliação de Astrini, a mudança não é satisfatória e não garante a recuperação das matas ciliares. “O governo não apresentou nenhuma base técnica para a definição dessas regras. O governo não tem nenhuma base para isso que apresentou. Não houve nenhum anúncio que possa garantir que essa recuperação seja eficiente e vá assegurar a recuperação do meio ambiente”, afirmou o coordenador de campanhas do Greenpeace. 

Desde a aprovação do novo código na Câmara, organizações ambientalistas e movimentos sociais lideraram um movimento chamado "Veta, Dilma!", pedindo que a presidenta derrubasse os pontos considerados mais críticos do projeto. Para Astrini, quaisquer que sejam os vetos apresentados na segunda-feira, não serão suficientes para melhorar a legislação ambiental.

“O que a gente queria era o veto total. E o veto total não vai ser feito nessa lei, vão ser feitas reformas, o que é absolutamente insuficiente. O texto antigo tem anistia distribuída em diversos artigos, não sabemos quais serão vetados, quais serão as redações novas”, disse.

De acordo com o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, além dos 12 vetos, das 32 modificações que serão feitas ao Código, 14 recuperam o texto aprovado inicialmente pelo Senado, cinco são novos dispositivos da lei, e 13 são ajustes ou adequações ao conteúdo. 

Com Agência Brasil

    Leia tudo sobre: código florestaldilma rousseffgreenpeace

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG