Ministro do STF derruba sigilo de parte das investigações sobre Cachoeira

Pela decisão de Ricardo Lewandowski, os únicos documentos que seguem sob sigilo são os arquivos das escutas telefônicas

iG São Paulo |

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), derrubou nesta quinta-feira o sigilo de grande parte dos documentos do inquérito que apura a ligação do senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) com o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, investigado pela CPI. 

Leia mais: CPI adia votação de quebra de sigilo da Delta e convocação de governadores

Leia também: Senador do PSOL diz que CPI está 'patinando' e 'não quer avançar'

Mais CPI: Sem resultados, comissão vira palco de briga entre partidos

STF / Divulgação
O ministro Ricardo Lewandowski, do STF, derrubou parte do sigilo das investigações sobre Carlinhos Cachoeira

Segundo a decisão do ministro do STF, os únicos documentos que permanecem sob sigilo são os arquivos de escutas telefônicas. A decisão do ministro atende em parte ao requerimento encaminhado pela CPI do Cachoeira, que solicitava o fim total do sigilo da documentação.

Lewandowski decidiu também encaminhar à CPI mais de mil horas de conversas telefônicas das apurações da Operação Monte Carlo, da Polícia Federal. Os arquivos estão em nove DVDs que integram processo que corre na 11 ª Vara de Justiça de Goiânia. Esses arquivos só poderão ser acessados pelos parlamentares e pelos acusados. 

Para facilitar apurações de eventuais vazamentos das interceptações telefônicas, o ministro do STF determinou que o material tenha identificação digital. Dados sigilosos encaminhados anteriormente à CPI vazaram, e uma sindicância foi aberta para apurar a responsabilidade pelo vazamento.

Diante de recentes pedidos de investigados ao STF para garantir acesso às provas antes de depoimentos na CPI, Lewandowski destacou em seu despacho que o sigilo não alcança os integrantes da comissão nem os investigados pela CPI ou em inquéritos relacionados às operações Vegas e Monte Carlo. De acordo com o ministro, essas pessoas têm o direito de acesso aos inquéritos, podendo inclusive tirar cópias.

Com Agência Brasil e Agência Estado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG