Executiva Nacional do PT decide intervir em Recife e convoca novas prévias

Partido não conseguiu uma saída negociada para a crise envolvendo os petistas João da Costa, atual prefeito, e Maurício Rands, deputado federal

Ricardo Galhardo, iG São Paulo |

A Executiva Nacional do PT decidiu nesta quinta-feira, em reunião extraordinária, na sede do partido em São Paulo, intervir no diretório de Recife e anular as prévias para definir o candidato do partido na disputa pela prefeitura da capital pernambucana, realizadas no último fim de semana e que deram a vitória ao atual prefeito João da Costa. O resultado abriu uma crise no PT local e o deputado Maurício Rands, adversário na disputa, se recusou a reconhecer a derrota.

Leia mais: No Recife, petistas defendiam terceiro nome

Eleição em São Paulo: PSB paulistano quer formalizar candidatura própria na semana que vem

A nova prévia, agora sob coordenação da direção nacional do PT, foi marcada para dia 3 de junho com os mesmo dois pré-candidatos. Na reunião desta quinta-feira, não houve consenso na executiva nacional sobre a briga em Recife e, colocada em votação, a proposta por novas prévias venceu por 10 a 3.
Os dois pré-candidatos aceitaram o acordo. Para tanto, pesou a ameaça de que ambos ficariam de fora da disputa e a executiva indicaria um terceiro nome.

A direção nacional do PT irá mandar uma comissão com cinco pessoas para acompanhar o processo e ainda tentar um acordo para que não haja necessidade de prévias. João da Costa e Maurício Rands saíram da reunião comemorando o resultado. Rands afirmou que “foi uma decisão equilibrada da executiva, que sinaliza para nós, até a próxima prévia, procurarmos o acordo e o diálogo para chegarmos a uma unidade”.

João da Costa disse que o mais importante é que o partido reconheceu que não houve fraude, mas apenas um descompasso com as orientações partidárias em razão da judicialização do processo. “É importante que até as prévias possamos construir um espaço de discussão democrática no partido e retomar o diálogo”, disse.

Apesar do acordo, as lideranças do PT de Pernambuco acham que vão precisar trabalhar para constuir uma unidade partidária. “O apoio de um para o outro é algo que tem que ser construído”, disse o deputado federal Pedro Eugenio, presidente do diretório estadual do PT em Pernambuco.

O acirramento dos ânimos de ambos os lados é motivo de preocupação no PT e de irritação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, nascido em Pernambuco, que teria feito um desabafo a interlocutores depois de ser informado sobre os últimos acontecimentos.

A crise no PT do Recife se arrasta há pelo menos dois anos, desde que o atual prefeito, João da Costa, e o antecessor, João Paulo, romperam politicamente. Desde então, o PT, que governa o Recife há três mandatos consecutivos, está rachado. Enquanto João da Costa tenta viabilizar a candidatura à reeleição, as lideranças ligadas a João Paulo lutam contra o atual prefeito. A entrada do deputado Maurício Rands (PT-PE) na disputa foi uma tentativa de criar uma alternativa, mas acabou embaralhando ainda mais a situação.

As prévias entre Rands e João da Costa, realizadas no último domingo, foram marcadas por uma guerra de liminares nos tribunais do Recife que ora ampliavam a participação dos militantes, ora a restringiam, com base nas exigências do partido para que seus filiados possam votar. A principal delas é a de que o filiado esteja em dia com as contribuições ao partido. Acusações de uso da máquina e abuso do poder econômico pipocaram de ambos os lados. Existem suspeitas de pagamentos feitos em grupos, por uma única pessoa, minutos antes da votação.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG