‘Estou surpreso’, diz Paim sobre citação de investigado na CPI

Petista afirma não ter amizade com ex-vereador goiano, acusado de ligação com Cachoeira, que diz ter hospedado senador

Fred Raposo, iG Brasília |

O senador Paulo Paim (PT-RS) se disse “surpreso” por ter sido citado na CPI do Cachoeira pelo ex-vereador de Goiânia Wladimir Garcez. Investigado pela Polícia Federal como braço político do esquema do contraventor Carlinhos Cachoeira, Garcez afirmou na CPI ter hospedado Paim em uma casa, além de ser próximo de diversas autoridades.

Assessor de Cachoeira se diz próximo de políticos, mas nega atos ilícitos

Wladimir Garcez diz que comprou casa de Perillo para lucrar

“Não tenho nem ideia de quem seja”, afirmou Paim ao iG . “Mas, como eu viajo o Brasil todo, e procuro usar o mínimo possível das verbas que o Congresso me permite, no longo desses 26 anos posso ter passado por Goiás ou por outros Estados e ter conhecido, visto (Garcêz). Só pode ser isso. Não tenho relação nenhuma de amizade com ele, com certeza absoluta”.

O petista explicou que as viagens se dão como presidente da Comissão de Direitos Humanos do Senado. “Faço palestras sobre direitos humanos. As pessoas só podem me conhecer pelo nome, só pode ser isso”. Paim admitiu, contudo, receber e às vezes aceitar convites de hospedagem de desconhecidos pelos lugares onde passa.

“Muitas vezes as pessoas nos lugares em que estou dizem: ‘Ó, fica na casa de beltrano ou ciclano’. No máximo isso. Mas não tenho nenhuma intimidade com esse ou nenhum outro postulante de posições que não venham de acordo com aquilo que defendo aqui no Congresso Nacional”, encerrou.

Além de Paim, Garcez afirmou na CPI ser amigo de uma lista de políticos, como o ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), o ex-prefeito goiano Íris Rezende (PMDB) e o subchefe de assuntos federativos da Presidência da República Olavo Noleto.

O ex-vereador foi flagrado em escuta da Polícia Federal na Operação Monte Carlo. Ele aparece em diálogos com o deputado Carlos Alberto Leréia (PSDB-GO), que cobra suposto depósito de R$ 100 mil de Garcêz. Ele também trabalhou como assessor do ex-diretor da construtora Dela no Centro-Oeste Claudio Abreu.

    Leia tudo sobre: cpi do cachoeirawladimir garcezpaulo paim

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG