Assessor de Cachoeira diz que comprou casa de Perillo para lucrar

Ex-vereador tucano diz à CPI que pegou empréstimo de R$ 1,4 milhão, mas decidiu revender casa onde bicheiro foi preso a dono de faculdade

AE |

selo

O ex-vereador Wladimir Garcez (PSDB) deu uma nova versão para a casa do governador de Goiás, Marconi Perillo, onde o bicheiro Carlos Cachoeira foi preso. Ele afirmou nesta quinta-feira, em depoimento na CPI, que comprou a casa do governador tucano para tentar lucrar em uma futura revenda. O imóvel, avaliado em R$ 1,4 milhão, foi comprado com três cheques nominais de Leonardo de Almeida Ramos, sobrinho de Cachoeira. 

Leia mais:  Sobrinho de Cachoeira pagou compra da casa de Perillo, diz delegado à CPI

Governador de Goiás: Dado contradiz versão sobre casa onde Cachoeira foi preso

Alan Sampaio / iG Brasília
Ex-vereador Wladimir Garcez presta depoimento na CPI do Cachoeira, em Brasília

Garcez disse que, ao saber que Marconi gostaria de vender a casa, situada em um condomínio de luxo em Goiânia, quis comprá-la, mas não dispunha de recursos. O imóvel estava, na avaliação dele, abaixo do valor de mercado. O ex-vereador afirmou que pediu ao ex-diretor da Delta Claudio Abreu e à Cachoeira o dinheiro. 

Garcêz: Assessor de Cachoeira se diz próximo de políticos, mas nega atos ilícitos

Na versão que ele apresentou à CPI, Claudio lhe repassou os três cheques para pagar o governador. Ele disse que não sabia quem eram os emitentes dos cheques. Garcez contou que repassou os cheques a um assessor de Perillo, de nome Lúcio.

O ex-vereador falou ainda que tentou, sem sucesso, vender a casa por um valor maior. Foi aí que Claudio Abreu passou a pressioná-lo para pagar a dívida. Ele então vendeu o imóvel pelo mesmo valor que comprou ao empresário Walter Paulo, dono de uma faculdade no Estado. Recebeu dele uma comissão de R$ 100 mil. 

Garcez disse ter ficado com medo de ser demitido por Claudio Abreu que, além de ter emprestado o dinheiro, o empregava na regional da Delta do Centro-Oeste por R$ 20 mil mensais. O ex-vereador afirmou que prestava consultoria para a construtora. Ele disse também que ganhava outros R$ 5 mil mensais para prestar consultoria ao laboratório Vitatan, da família Cachoeira. 

"Não faço parte de nenhuma organização criminosa", afirmou Garcez, ressaltando que orientava, "sempre do ponto vista institucional", a construtora em contatos com governos estadual, municipal e federal. 

O ex-vereador disse que jamais se encontrou com Perillo na sede do governo estadual para lhe entregar dinheiro, como sugerem os grampos feitos pela Polícia Federal na Operação Monte Carlo. Ele disse que a gravação foi montada e sustenta que toda a apuração contra ele é ilícita por ter investigado ilegalmente um senador sem que fosse no Supremo Tribunal Federal (STF). 

Depois da exposição inicial, Garcez anunciou que não deve responder às perguntas feitas pelos parlamentares da CPI, mas somente esclarecer eventuais dúvidas sobre o que ele já falou.

    Leia tudo sobre: cpi do cachoeira

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG