Justiça rejeita denúncia contra coronel Ustra por morte na ditadura

A denúncia pelo desaparecimento do líder sindical Aluísio Palhano Pedreira Ferreira, em 1971, havia sido oferecida pelo MPF

iG São Paulo |

O juiz substituto Márcio Rached Millani, da 10ª Vara Federal Criminal em São Paulo, rejeitou a denúncia de sequestro contra o coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra e o delegado de Polícia Civil Dirceu Gravina. A denúncia pelo desaparecimento do líder sindical Aluísio Palhano Pedreira Ferreira em 1971, durante a ditadura militar, foi oferecida pelo Ministério Público Federal (MPF). 

Veja o Especial do iG: A Ditadura Revisada

Leia também: Emocionada, Dilma diz que 'nunca pode existir história sem voz'

Saiba mais: Coronéis Juarez e Ustra prometem processar ex-delegado Cláudio Guerra

A tese de crime continuado, uma vez que o corpo de Palhano nunca foi encontrado, foi rejeitada pelo juiz. Para Rached Millani, deve-se presumir que o militante está morto, porque, estando em cativeiro, não seria capaz de chegar aos 90 anos. Por isso, os crimes imputados ao coronel e ao delegado estão prescritos, segundo o magistrado, e plenamente cobertos pela Lei de Anistia.

Leia mais: Comissão da Anistia aprova indenização ao pai do ministro da Saúde

Leia também: Comissão nega indenização ao Cabo Anselmo, agente duplo na ditadura

“Ou a vítima faleceu em 1971, situação mais provável, vez que não se teve mais notícias dela após esta data, hipótese que estaria albergada pela Lei de Anistia; ou, utilizando-se a tese ministerial, teria permanecido em cárcere até 4 de dezembro de 1995, data que foi sancionada a Lei n.º 9.140”, diz o texto da sentença, em referência à lei federal que declarou mortos todos os desaparecidos em razão de participação em atividades políticas entre 2 de setembro de 1961 e 5 de outubro de 1988.

De acordo com o entendimento do juiz, a denúncia foi a apresentada com a “nítida intenção” de reabrir a discussão sobre a constitucionalidade da Lei de Anistia, de 1979, que "perdoou" todos os crimes políticos cometidos entre 2 de setembro de 1961 e 15 de agosto de 1979. “O Ministério Público Federal busca com essa denúncia reabrir a questão, dando aos fatos nova qualificação jurídica”, destaca Millani que defende que a validade da lei está garantida por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).

Palhano foi presidente da Confederação Nacional dos Bancários e vice-presidente da antiga Central Geral dos Trabalhadores (CGT). Após o golpe militar de 1964, teve seus direitos políticos cassados e foi exonerado do cargo que ocupava no Banco do Brasil, tendo de se exilar em Cuba. Em 1970, voltou ao Brasil e ficou na clandestinidade, chegando a integrar a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), grupo liderado por Carlos Lamarca. No ano seguinte, foi preso em São Paulo.

Relatos colhidos pelo MPF indicam que o sindicalista teria sido torturado no Destacamento de Operações de Informações - Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), em São Paulo. O centro era comandando, à época, pelo coronel Ustra. O militar tenta um recurso contra a ação que o declarou responsável pelas torturas usadas nos interrogatórios feitos no local. 

Com Agência Brasil

    Leia tudo sobre: ditadura militarcoronel ustra

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG