Cachoeira depõe à CPI, mas se recusa a responder

Bicheiro disse que ficará calado por orientação dos advogados: “Estou aqui como manda a lei, mas não falarei nada"

Fred Raposo e Adriano Ceolin, iG Brasília |

O contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, chegou por volta das 13h15 ao Congresso Nacional para depor à CPI nesta terça-feira e entrou no Senado pelo gabinete do senador Humberto Costa (PT-PE). O depoimento começou pouco depois das 14h e durou pouco mais de duas horas.

Redes sociais: "Não-depoimento" é o tema mais comentado no Twitter

TV iG: Mulher de Cachoeira causa alvoroço na chegada ao Congresso

Poder Online: “Depoimento não está servindo para nada”, diz Onyx sobre fala de Cachoeira

Chamado a depor pelo presidente da CPI, Vital do Rêgo (PMDB-PB), Cachoeira disse que ficaria calado por orientação dos advogados, como já era esperado. “Estou aqui como manda a lei, mas não falarei nada. Constitucionalmente, fui advertido pelos meus advogados para não falar nada e não falarei nada aqui. Somente depois da audiência com o juiz (...) aí pode me chamar que virei aqui para falar e responderei a qualquer pergunta”, afirmou.

Sobre depoimento de Cachoeira, Walter Pinheiro (BA), líder do PT no Senado, disse que quer "juntar os pontos entre o que ele diz e o que está nos autos". No entanto, a todas as perguntas, Cachoeira respondia que usa o direito constitucional de ficar calado.

Dida Sampaio/AE
Cachoeira se recusa a responder às perguntas da CPI: 'Não vou falar nada'

Leia também: STF decide que Cachoeira deve comparecer à CPI nesta terça

Saiba mais: CPI reacende embate entre Ministério Público e Polícia Federal

Cachoeira até se recusou a responder como estava sendo tratado na penintenciária da Papuda. O deputado Rubens Bueno (PPS-PR) também fez peguntas sobre as relações da Delta e o bicheiro, sobre a relação dele com Henrique Meirelles (ex-Banco Central). E Cachoeira só repetiu a frase: "Calado, vou suar o meu direito constitucional de ficar calado". "Só queria encerrar dizendo ao senhor Carlos Augusto, parodiando um episódio aqui, Carlos Augusto, nós não somos teu", disse Bueno em referência à troca de mensagens entre o petista Cândido Vaccarezza e o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), na semana passada.

Carlinhos Cachoeira foi preso em 29 de fevereiro pela Operação Monte Carlo da PF, e é acusado de comandar um esquema de exploração de maquinas de caça-níqueis. Apesar da tentativa da defesa de adiar seu depoimento pela segunda vez, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que o comparecimento de Cachoeira aconteceria nesta terça-feira. Dois carros do departamento penitenciário da Papuda e um da Polícia Federal escoltaram a viatura com o empresário goiano, pelo trajeto de cerca de 25 quilômetros.

Agência O Globo
Cachoeira chega com escolta ao Congresso para depor à CPI

O primeiro adiamento aconteceu há uma semana, quando o ministro Celso de Mello acatou os argumentos da defesa de que Cachoeira não podia depor, porque não teve acesso aos inquéritos que o investigam.

Após essa decisão do STF, o advogado Márcio Thomaz Bastos teve acesso à investigação, mas argumentou em seguida que precisava de mais tempo para analisar o grande volume de documentos: 15 mil páginas. O argumento não foi aceito pelo ministro Celso de Mello desta vez.

Porém, mesmo sendo obrigado a comparecer à CPI, a tendência é de que o contraventor não responda aos questionamentos dos parlamentares, segundo seu advogado.

Principal protagonista do escândalo que pode levar à cassação do mandato do senador Demóstenes Torres (ex-DEM) e já jogou suspeitas sobre os governadores de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), e do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT).

Nesta terça-feira, o advogado de Demóstenes informou que Cachoeira, principal testemunha arrolada na defesa do senador no processo do Conselho de Ética, não deverá comparecer ao depoimento previsto para esta quarta-feira.

Com Agência Senado

    Leia tudo sobre: cpi do cachoeira

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG