PT avalia intervenção nacional em Recife para pôr fim à crise

Partido tenta uma saída negociada para a briga entre os petistas João da Costa (atual prefeito) e Maurício Rands (deputado federal) em torno da candidatura à Prefeitura

Ricardo Galhardo, iG São Paulo |

A executiva nacional do PT marcou uma reunião extraordinária para quinta-feira, na sede do partido em São Paulo, com o objetivo de debelar a crise deflagrada com a realização de prévias para a escolha do candidato do partido à Prefeitura do Recife. Setores do partido defendem uma intervenção nacional no diretório da capital pernambucana. O resultado das prévias do fim de semana apontam o prefeito João da Costa como vitorioso, mas o deputado federal Maurício Rands, adversário na disputa, não reconhece a derrota.

Poder Online: Em discurso irado, Rands não reconhece derrota nas prévias de Recife

Nesta segunda-feira, o secretário nacional de Organização do PT, Paulo Frateschi, está no Recife tentando, em nome da direção nacional, encontrar uma saída negociada para a crise. Caso não haja entendimento até quinta-feira, dirigentes ligados a Rands devem encaminhar um pedido de intervenção à executiva. O acirramento dos ânimos de ambos os lados é motivo de preocupação no PT e de irritação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, nascido em Pernambuco, que teria feito um desabafo a interlocutores depois de ser informado sobre os últimos acontecimentos.

A crise no PT do Recife se arrasta há pelo menos dois anos, desde que o atual prefeito, João da Costa, e o ex João Paulo romperam politicamente. Desde então o PT, que governa o Recife há três mandatos consecutivos, está rachado. Enquanto João da Costa tenta viabilizar a candidatura à reeleição, as lideranças ligadas a João Paulo lutam contra o atual prefeito.

A entrada do deputado Maurício Rands (PT-PE) na disputa foi uma tentativa de criar uma alternativa, mas acabou embaralhando ainda mais a situação.

As prévias entre Rands e João da Costa, realizadas domingo, foram marcadas por uma guerra de liminares nos tribunais do Recife que ora ampliavam a participação dos militantes, ora restringiam com base nas exigências do partido para que seus filiados possam votar. A principal delas é a de que o filiado esteja em dia com as contribuições ao partido. Acusações de uso da máquina e abuso do poder econômico pipocaram de ambos os lados. Existem suspeitas de pagamentos feitos em grupos, por uma única pessoa, minutos antes da votação.

O resultado será divulgado apenas no dia 28. Ontem à noite, após o término da votação, Rands fez um pronunciamento inflamado no qual não reconheceu a legitimidade das prévias, acusou João da Costa de uso da máquina e disse que a democracia interna do PT foi violentada.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG