“Estamos preocupados com as obras da Delta”, diz ministro

Em entrevista ao iG, Aguinaldo Ribeiro (Cidades) diz que governo teme paralisação de projetos da construtora de Fernando Cavendish

Nivaldo Souza e Adriano Ceolin, iG Brasília |

O ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), avalia haver risco na conclusão de obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e da Copa do Mundo executadas pela Delta Construções, empreiteira envolvida no escândalo do bicheiro Carlinhos Cachoeira . “Nossa preocupação é para que não haja nenhum embaraço para as obras”, disse em entrevista exclusiva ao iG . “Nas obras em que a Delta é consorciada não teremos problema. Já nas que ela está sozinha estamos conversando com os entes federados”, completa.

Leia também: Governo prepara Plano Nacional de Saneamento focado em mega obras

No Palácio do Planalto, já é dado como certo que a Controladoria Geral da União (CGU) declarará a Delta inidônea , isso que a empresa ficará impossibilitada de manter contratos com o governo. A insolvência da companhia pode afetar o desenrolar de obras do PAC, em especial projetos de infraestruturas voltados para a Copa. “Se chegar um momento em que ela (Delta) não possa se incluir na matriz de regime diferenciado de contratação (da Copa), corremos o risco de um ou outro serviço para a Copa”, afirma Ribeiro.

A saída para o problema é a compra da Delta pela J&F, operação que o governo nega intermediar apesar do apoio velado nos bastidores. Na avaliação do ministro, a venda da Delta não deve impedir uma reavaliação nos contratos firmados entre estados e municípios com a construtora carioca. Ribeiro, contudo, sinalizou que se a transação se confirmar ela “não trará risco manter os contratos se o grupo assumir a empresa”.

Há 104 dias na pasta que herdou após a saída turbulenta do colega Mário Negromonte (PP-BA), Ribeiro tenta manter uma postura discreta. Ele evitou politizar o fato de o presidente da CPI do Cachoeira, Vital do Rêgo (PMDB-PB), ser integrante do grupo adversário da sua irmã, Daniela Ribeiro (PP), na disputa pela prefeitura de Campina Grande (PB). Ela terá o apoio do PT. “Se tem alguém me considerado adversário, eu não sei o porquê”, afirma.

Copa, diretoria do PAC e saneamento

A equipe técnica do Ministério das Cidades retorna nesta sexta-feira (18) de uma série de visitas às 12 cidades-sedes da Copa. O diagnóstico servirá de base para a nova Diretoria do PAC, recém-criada pelo ministro para monitorar as obras como uma “central de controle” dos projetos em andamento.

Embora evite comentar as informações colhidas pelos técnicos, Ribeiro adianta ao iG que o monotrilho de Manaus e o metrô de Brasília são as duas principais preocupações entre as obras de infraestrutura incluídas no pacote de R$ 32 bilhões anunciados em abril para o PAC da Mobilidade - programa de transportes executados até 2014. “Em Manaus estamos aguardando que se vençam as dificuldades para não chegar ao sinal vermelho”, alerta.

O ministro reconhece também a lentidão nas obras do PAC do Saneamento, lançado pelo ex-presidente Lula, em 2007, com orçamento de R$ 4,4 bilhões. “Temos dificuldades na execução dessas obras”, diz, antecipando ao iG que Cidades elabora um novo Plano Nacional de Saneamento.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG