Procurador-geral confirma que já recebeu perguntas da CPI

'Jamais deixaria sem resposta o Congresso Nacional', afirmou Roberto Gurgel antes do início da sessão do STF

iG São Paulo |

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, confirmou nesta quinta-feira que já recebeu as perguntas da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Cachoeira sobre os procedimentos adotados pelo Ministério Público nas Operações Vegas e Monte Carlo. Devido à recusa de Gurgel em comparecer pessoalmente à comissão, as perguntas foram enviadas nesta semana por escrito.

Leia mais: CPI vai pedir ao STF fim do sigilo de investigações contra Cachoeira

Mais CPI: Comissão poupa governadores e ex-dono da Delta de serem convocados

Leia também: Membros da CPI chamam de 'vingança' pedido de Collor para investigar jornalista

“Tenho dito que jamais deixaria sem resposta o Congresso Nacional”, disse, antes do início da sessão do Supremo Tribunal Federal (STF). O procurador já havia dito que não poderia depor à CPMI porque isso prejudicaria seu trabalho como titular da ação penal contra os parlamentares envolvidos nas investigações.

A opção de substituir a convocação do procurador por um pedido de informações foi apresentada pelo relator da comissão, deputado Odair Cunha (PT-MG). A CPMI quer saber em que circunstâncias e quando chegaram os autos da Operação Vegas à Procuradoria-Geral da República (PGR); que providências Gurgel adotou diante dos indícios levantados pela Polícia Federal, que comandou as operações junto com o Ministério Público; em que data e circunstâncias a PGR teve conhecimento da Operação Monte Carlo e quais as providências foram tomadas diante dos fatos apurados pela Operação Monte Carlo.

Inicialmente, a atuação de Roberto Gurgel em relação às investigações da Operação Monte Carlo foram alvo de polêmica entre os parlamentares que compõem a CPI do Cachoeira. Chegou a ser estudada a possibilidade de convocar o procurador-geral para prestar esclarecimentos, mas a tese perdeu força e houve um acordo para que ele fosse questionado por escrito. 

O relator informou que, caso as informações não fossem prestadas ou fossem insuficientes, o requerimento de convocação de Gurgel poderia ser votado na próxima semana pela CPMI. 

Com Agência Brasil

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG