'Não temos opinião', diz Jobim sobre PMDB; Temer reage

Ex-ministro da Defesa afirma que partido virou 'homologador' das decisões do governo e constrange lideranças da legenda em reunião

AE |

selo

O ex-ministro da Defesa, Nelson Jobim, fez críticas duras ao seu partido, o PMDB, em um discurso nesta tarde pontuado por cobranças à cúpula partidária durante o "II Fórum Nacional - o PMDB e as eleições municipais 2012". As declarações de Jobim causaram um constrangimento visível na mesa de trabalhos repleta de autoridades peemedebistas, incluindo o vice-presidente da República, Michel Temer (SP), o presidente nacional da legenda, senador Valdir Raupp (RO), e os líderes dos partidos na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), e no Senado, Renan Calheiros (AL).

Poder Online: Temer estrutura seu próprio grupo no PMDB do Senado

Relembre: Vice-presidente Michel Temer adere a manifesto do PMDB contra o PT

Sucessão: Presidente do PSDB admite que Aécio é favorito à candidatura presidencial em 2014

Jobim cobrou da cúpula partidária projetos e posições. "Porque não temos opinião, Michel, nos tornamos homologadores. Nos cobram lealdade de posições das quais não participamos", disse. E continuou: "A sobrevivência do PMDB está dependendo de termos cara e voz. É o momento de termos cara e voz. Quem não tem cara e voz, curva-se e quem se curva leva um pontapé", concluiu Jobim no discurso.

Jobim afirmou que o partido não tem programas nem posições sobre nada ao discorrer sobre temas federativos atuais que precisam de decisões, como a distribuição dos royalties, as regras de repartição dos recursos dos fundos de participação dos Estados e dos municípios que serão extintas em 31 de dezembro deste ano, além das mudanças na indexação das dívidas dos Estados.

O ex-ministro defendeu, indiretamente, uma candidatura própria do PMDB à presidência da República. Ele disse que "ter posições é correr risco" e que a última vez que o PMDB correu risco foi com a candidatura de Ulysses Guimarães à Presidência da República em 1989. Jobim coordena uma comissão de notáveis criada pelo presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), para discutir o pacto federativo e foi ao fórum fazer uma palestra sobre "Os municípios e o pacto federativo".

Em seu discurso, Jobim afirmou que estava ali para levantar problemas e que cabia à cúpula do partido ali presente a responsabilidade de fazer com que o partido tenha posições. Coube ao vice-presidente, Michel Temer, responder a Jobim.

Em um discurso feito na maior parte do tempo de costas para o ex-ministro, Temer disse que não se pode dizer nunca que o PMDB "fraqueja". Ele disse que o Código Florestal e o projeto que criou a aposentadoria complementar do servidor público são exemplos de programas do PMDB que foram levados à frente. Disse que o partido sempre foi municipalista e levantou a bandeira do pacto federativo. "Temos de trabalhar por isso", disse.

Temer afirmou que a eventual candidatura própria do partido à Presidência da República, em 2014, é ainda uma questão aberta. "Temos de nos preparar e isso depende de estágios. A primeira é a eleição municipal e temos de nos dedicar a isso", disse. "Temos de ter o controle das duas Casas do Congresso Nacional", completou. O vice-presidente pregou a unidade e a integração do PMDB.

    Leia tudo sobre: PMDBnelson jobimmichel temer

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG