O contraventor declarou ter tido rendimentos de R$ 60 mil e patrimônio de R$ 4,3 milhões em 2010, mas gastos com cartão foram de R$ 169,6 mil

Documentos fiscais sigilosos obtidos pelo Valor apontam que o empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, informou à Receita Federal patrimônio incompatível com os rendimentos revelados pela Operação Monte Carlo da Polícia Federal.

Leia mais: Defesa de Cachoeira tme acesso a documentos da PF no Senado

Leia também: Relator propõe dispensa do depoimento de procuradores ao Conselho de Ética

Saiba mais: Operações Vegas e Monte Carlo não tiveram ligação, confirma MP-GO

Em 2010, Cachoeira declarou ter tido rendimentos de R$ 60 mil e patrimônio de R$ 4,3 milhões. Entretanto, seus gastos com cartão de crédito foram de R$ 169,6 mil. No mesmo ano, ele declarou ter R$ 276 mil guardados em casa.

Muito menos do que ele disse ter em espécie em sua residência nos anos anteriores. Em 2007, afirmou possuir R$ 1,4 milhão em sua residência. Nos dois anos seguintes, esse valor foi de R$ 1,5 milhão e R$ 1,3 milhão. O patrimônio declarado entre 2007 e 2009 foi de R$ 2,2 milhões, R$ 3,1 milhões e R$ 4,4 milhões. No mesmo período, seus rendimentos declarados foram de R$ 16,6 mil, R$ 20,4 mil e R$ 75 mil.

O empresário também declarou possuir uma casa em Miami, Estados Unidos, no endereço 11.285 NW Street, Doral Isles Riviera, lote 38-A. Ela foi comprada de um chinês chamado Choi Yong Seok.

Veja abaixo os dados fiscais de Cachoeira:

Rendimentos:

2007 - R$ 16,6 mil
2008 - R$ 20,4 mil
2009 - R$ 75 mil
2010 - R$ 60 mil

Gastos no cartão de crédito:

2007 - R$ 198,6 mil
2008 - R$ 589,1 mil
2009 - R$ 176,6 mil
2010 - R$ 169,6 mil

Patrimônio:

2007 - R$ 2,23 milhões
2008 - R$ 3,13 milhões
2009 - R$ 4,49 milhões
2010 - R$ 4,37 milhões

Dinheiro em espécie guardado:

2007 - R$ 1,4 milhão
2008 - R$ 1,5 milhão
2009 - R$ 1,35 milhão
2010 - R$ 276 mil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.