Sem Cachoeira, CPI vota convocações e pedidos de quebra de sigilo

Decisão do STF adiou o depoimento do bicheiro sob a alegação de que ele não teve acesso ao processo

Agência Brasil |

Com a suspensão do depoimento do empresário Carlos Augusto de Almeida Ramos , o Carlinhos Cachoeira, determinada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a CPI fará nesta terça-feira à tarde uma reunião administrativa.

Leia mais: Braga minimiza adiamento do depoimento de Cachoeira

CPI do Cachoeira: STF concede liminar e adia depoimento de bicheiro

Na pauta estão cerca de 200 requerimentos, entre eles, pedidos de convocações do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, de sua mulher, a subprocuradora Cláudia Abreu, de governadores, além de quebra de sigilos bancários da Delta. A empresa é suspeita de se beneficiar do esquema comandado por Cachoeira.

Opinião: “Decisão já era esperada”, diz integrante da CPI

O presidente da CPI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), informou que os trabalhos da comissão continuarão até o STF julgar o mérito do pedido de habeas corpus concedido ontem, em caráter liminar, pelo ministro Celso de Melo. "Hoje faremos a sessão administrativa para votar requerimentos e, até lá, poderemos ouvir outros acusados", destacou o senador.

Leia também: Episódio do guardanapo de Cabral provoca protesto no Rio

"Pretendo acabar com essa tensão e retomar a CPI dentro do prazo determinado. Quero resolver de forma técnica essa questão da CPI. Na quinta, vamos ouvir os procuradores [Daniel de Resende Salgado e Léa Batista de Oliveira, que participaram da Operação Monte Carlo]. O que eu vou fazer é aproveitar, resolver os requerimentos que precisam ser analisados e, na quinta, eu ouço os procuradores", destacou Vital do Rêgo.

O depoimento de Cachoeira estava marcado para hoje, mas a decisão do STF obrigou a CPI a adiar a ida do bicheiro até que o mérito do pedido seja julgado, o que pode ocorrer na próxima semana. No pedido, a defesa de Cachoeira alegou que ele não teve acesso amplo a todas as informações sobre o processo.

O senador considerou que a CPI manterá a decisão tomada sobre a guarda dos documentos, restringindo o acesso apenas a membros da comissão e que a defesa de Cachoeira tem que obter as informações na Justiça. "A CPI mantém a decisão tomada na guarda dos documentos. Essa é uma questão de ordem processual", destacou o presidente.

Vital do Rêgo informou ainda que houve um "ruído de informação" sobre a necessidade de a CPI dar acesso aos documentos para os advogados de defesa. "O que aconteceu foi que, quando a defesa de Cachoeira foi procurar os autos na 11ª Vara Federal de Goiânia, esses documentos já estavam no STF. Ele tem que conseguir os documentos por meio do Supremo", destacou Vital do Rêgo.

    Leia tudo sobre: cpi do cachoeira

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG