Relator apresenta pedido para Gurgel responder à CPI por escrito

Petistas inicialmente defenderam ida do procurador-geral ao Congresso para prestar esclarecimentos aos parlamentares

Fred Raposo, iG Brasília |

Agência Brasil
Para Odair Cunha (PT-MG), Gurgel deve explicações à Polícia Federal
O relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), deputado Odair Cunha (PT-MG), acaba de formalizar na tarde desta terça-feira um pedido para que o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, responda por escrito às dúvidas dos parlamentares sobre o caso Cachoeira.

A decisão de apresentar um requerimento de informações a Gurgel foi definida em reunião da bancada petista na manhã de hoje. Inicialmente, o PT defendia a ida do procurador-geral ao Congresso para esclarecer o motivo de ter deixado de investigar na Operação Vegas, de 2009, a ligação do senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO) com o grupo de Carlos Cachoeira.

Porém, a legenda desceu o tom contra Gurgel após reação dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), na semana passada, à pressão dos parlamentares. “A resposta tem que ser dada não para o PT, mas para a polícia”, disse ao iG Odair Cunha, um dos que já defendia a explicação por escrito do procurador-geral, referindo-se ao requerimento de informações.

Poder Online: Parlamentares quase saem no tapa dentro da CPI do Cachoeira

CPI do Cachoeira: Presidente do PT diz que procurador-geral deve explicações

A convocação do procurador-geral abriu uma crise entre Ministério Público e Polícia Federal. Em depoimento sigiloso à CPI, o delegado Raul Marques responsabilizou a subprocuradora da República, Claudia Sampaio, que é mulher de Gurgel, por paralisar as investigações da Vegas. A subprocuradora rebateu afirmando que ia arquivar a Vegas em, mas que “o doutor Raul foi categórico ao pedir para esperar, para não atrapalhar investigações em curso".

Na reunião, os petistas também acertaram de fazer um levantamento de outros nomes ligados a Carlos Cachoeira para serem convocados à CPI. Um deles seria o sobrinho de Cachoeira, Leonardo Almeida Ramos. Segundo a Polícia Federal, foram usados três cheques de Ramos na compra de imóvel, por Cachoeira, para o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB).

Perillo também está na mira dos petistas, mas sua convocação à CPI, por negócios com Cachoeira, tem sido adiada. O motivo é que integrantes da comissão condicionam a convocação do tucano a dos governadores Sérgio Cabral (PMDB) e Agnelo Queiroz (PT), ambos governistas.

    Leia tudo sobre: cpi do cachoeira

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG