Collor quer convocar mulher de procurador-geral para depor na CPI

Senador e ex-presidente apresentou requerimento para subprocuradora explicar atraso em inquérito do caso Cachoeira

AE |

selo

O senador Fernando Collor (PTB-AL) apresentou nesta segunda-feira um requerimento para convocar a subprocuradora-geral da República Cláudia Sampaio Marques para depor na CPI do Cachoeira. O pedido de Collor para trazer à comissão a mulher do procurador-geral da República, Roberto Gurgel , baseia-se no depoimento que o delegado Raul Alexandre Marques Sousa, responsável pela Operação Vegas, prestou na semana passada em sessão reservada da CPI. Desde que virou membro da CPI, Collor voltou ao ataque 20 anos após deixar a Presidência por denúncias de corrupção contra seu governo.

Leia também: Gurgel rebate crítica sobre atraso de inquérito do caso Cachoeira

Poder Online: Cerco do PT a Gurgel pode ser tiro no pé

Nele, o delegado disse que Cláudia, designada pelo marido para cuidar do caso, não encontrou indícios para pedir abertura de investigação contra parlamentares por envolvimento com o contraventor Carlinhos Cachoeira em 2009 no Supremo Tribunal Federal (STF). Em entrevista ao jornal Estado de S. Paulo, publicada nesta segunda, Cláudia disse que a decisão de segurar a apuração foi tomada à época em conjunto com Marques Sousa. Ela considerou que a decisão foi acertada pelo resultado que a Operação Monte Carlo teve, ao levar à prisão Cachoeira e mostrar indícios concretos da participação do senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) e dois deputados com o contraventor. 

Leia mais: Ministros do STF saem em defesa do procurador-geral da República

"Não foi uma decisão minha. Foi nossa. Entendi que não tinha elementos na época para ir ao STF. Poderia ter conversas relevantes no aspecto político ou ético, mas não tinha crime. Decidimos que era conveniente esperar", afirmou ela, que disse estar à disposição para ir à CPI esclarecer sua participação. Ela atribuiu o questionamento feito por parlamentares à sua atuação a uma tentativa de desgastar seu marido às vésperas do julgamento do mensalão.

Na semana passada, Gurgel atribuiu a crítica sobre atraso de inquérito do caso Cachoeiradiz àqueles que têm medo do julgamento do mensalão , apontado por ele como "maior atentado à democracia". Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) saíram em defesa do procurador-geral. 

Collor afirmou no requerimento que é preciso elucidar o caso. "Além de melhor elucidar os aspectos que envolveram aquele inquérito, a subprocuradora pode dar maiores explicações acerca do modus operandi do processo na Procuradoria-Geral da República, inclusive os motivos que levaram a instituição a não tomar nenhuma providência quanto ao caso, já que não houve arquivamento, solicitação de novas diligências nem oferecimento de denúncia junto ao STF", disse. 

Na tribuna do plenário nesta segunda, o senador do PTB disse que a atuação no episódio de Cláudia e de Gurgel foi "nebulosa". O parlamentar também apresentou pedido para que o ex-diretor-geral da PF Luiz Fernando Corrêa, chefe da polícia na época da Operação Vegas, fale à CPI.

    Leia tudo sobre: cpi do cachoeira

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG