Supremo decide nesta segunda se dispensa Cachoeira de depoimento

Advogados alegam que Cachoeira não deve comparecer à CPI antes de conhecer os documentos que servirão de base para as perguntas

AE |

selo

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), deve decidir nesta segunda-feira sobre o pedido da defesa do bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, para que ele seja dispensado de prestar o depoimento marcado para terça-feira na CPI do Cachoeira . Na ação protocolada no STF na semana passada, os advogados alegam que Cachoeira não deve comparecer à CPI antes de conhecer os documentos que servirão de base para as indagações dos parlamentares.

Supremo decide nesta segunda se dispensa Cachoeira de depoimento 

Leia também:
Oposição quer que Justiça compartilhe quebra de sigilo de Cachoeira com CPI
Justiça quebra sigilos e bloqueia bens de Cachoeira e mais 7 pessoas
STF investiga vazamento de inquérito do caso Cachoeira
Gurgel rebate crítica sobre atraso de inquérito do caso Cachoeira

Para tentar convencer o Supremo, a defesa citou decisões anteriores do tribunal que dispensaram pessoas de prestar depoimentos a CPIs. Os advogados afirmam que Cachoeira será ouvido na condição de investigado e que, portanto, é necessário que conheça todas as provas que servirão de base para as perguntas dos integrantes da CPI. 

Antes de protocolar o pedido de habeas corpus no STF, a defesa de Cachoeira, que está a cargo do ex-ministro da Justiça Márcio Thomas Bastos, tinha solicitado ao presidente da CPI, senador Vital do Rego (PMDB-PB), que fornecesse as informações. No entanto, o requerimento foi negado. Segundo os advogados, Cachoeira está "impedido de conhecer com inteireza o que pesa contra ele". 

A defesa sustenta que para decidir se vai falar ou se vai silenciar na CPI o bicheiro precisa conhecer o material. "De toda sorte, para decidir se fala ou se cala, ele precisa antes saber o que há a seu respeito", afirmam. Os advogados pedem que o STF conceda uma liminar para adiar o depoimento para que Cachoeira "não seja compelido, antes de ter ciência das provas a ele vinculadas, a permanecer em silêncio contra seus legítimos interesses, ou a apresentar versão sobre fatos e provas que não conhece apropriadamente".

    Leia tudo sobre: cpi do cachoeiracarlinhos cachoeiradelta

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG