Advogados abandonam júri e só três réus do caso Celso Daniel são julgados hoje

Defesas de Itamar e Elcyd reclamaram de ‘desigualdade’ entre acusação e defesa e os dois devem ser julgados em 16 de agosto

Bruna Carvalho, iG São Paulo |

Advogados de dois dos cinco réus do caso Celso Daniel, prefeito de Santo André morto em 2002, que seriam julgados nesta quinta-feira, em Itapecerica da Serra, decidiram abandonar o júri antes do início da sessão nesta manhã alegando desigualdade entre acusação e defesa. Com isso, o julgamento de Itamar Messias da Silva e Elcyd Oliveira Brito foi remarcado para 16 de agosto. Serão julgados hoje José Edson da Silva, Rodolfo Rodrigo dos Santos Oliveira e Ivan Rodrigues da Silva.

O julgamento teve início por volta das 11h e foram escolhidos os jurados: serão quatro homens e três mulheres. As testemunhas arruladas pela defesa foram dispensadas e algumas não vieram porque não tinham obrigação de comparecer. A sessão começou com os interrogatórios dos três réus.

Entenda: Saiba quem é quem no caso Celso Daniel

Leia mais: MP manterá tese de crime político em julgamento do caso Celso Daniel

Caso Celso Daniel: ‘Estou tranquilo’, diz promotor sobre julgamento

Diogo Moreira/Futura Press/AE
Um dos acusados da morte de Celso Daniel chega para julgamento

Ivan Rodrigues da Silva foi o primeiro a falar. O interrogatório durou menos de meia hora. Ele negou participação no crime e disse que não conhece o ex-segurança Sérgio Gomes da Silva, o Sombra, acusado de ser o mandante do crime, nem Dionísio de Aquino Severo, apontado como líder do bando que sequestrou o ex-prefeito de Santo André. “Eu não matei ninguém. Estão falando desse Sombra e eu não sei nem que é esse senhor”, afirmou Rodrigues da Silva.

O segundo a falar foi José Edson da Silva em interrogatório que durou pouco mais de 15 minutos. Assim como o primeiro, negou conhecer os outros acusados e ter participado do crime. Disse que estava na Bahia quando Celso Daniel foi morto e também disse que não faz parte do PCC (Primeiro Comando da Capital). “Não é verdade, não sei por que sou acusado”, disse Edson da Silva.

Na sua vez, Rodolfo Rodrigo dos Santos Oliveira, o terceiro e último réu a falar, também negou envolvimento no crime e disse que não conhece nem Dionísio nem Sombra. Oliveira afirmou, assim como os outros três, que a confissão de crime que faz parte dos autos foi obtida sob tortura.

A defesa dos dois réus que não serão julgados hoje reclamou da divisão do tempo no julgamento: 2h30 para o promotor e 2h30 divididas entre os defensores dos cinco réus, o que daria meia hora para cada. Para a advogada de Elcyd, Ana Lúcia Santos, o tempo era insuficiente. “É impossível defender o réu em 30 minutos”, afirmou. Ela não confirmou que o seu cliente tenha feito acordo para obter o benefício da delação premiada, segundo informação do promotor Márcio Augusto Friggi de Carvalho.

iG explica: Entenda o caso Celso Daniel

Agência Estado
Celso Daniel foi encontrado morto em 2002
Em entrevista ontem, Carvalho afirmou que o Ministério Público do Estado de São Paulo reafirmará a sua versão de que a morte do prefeito foi um crime encomendado e com motivação política.

Elcyd conduzia a Blazer que, junto a um Santana, bloqueou a passagem da Pajero onde estava o prefeito no momento do sequestro, em janeiro de 2002. Celso Daniel foi abordado na saída de um restaurante e estava acompanhado do ex-segurança Sérgio Gomes da Silva, o Sombra, acusado de ser mandante do crime. Sombra não está entre os réus que serão julgados nesta quinta, porque dois recursos fizeram com que o processo que trata da acusação contra ele fosse desmembrado. Ainda não há uma data para julgamento.

Relembre: Primeiro acusado pela morte de Celso Daniel é condenado a 18 anos

Além de Elcyd, responderão pelo crime de homicídio duplamente qualificado no júri nesta quinta Itamar Messias Silva dos Santos e Rodolfo Rodrigo dos Santos Oliveira, o Bozinho - que também estavam na Blazer - Ivan Rodrigues da Silva, conhecido como Monstro, e José Edson da Silva. Eles teriam sido recrutados por Dionísio Aquino Severo, que, segundo o MP, liga Sombra ao grupo que executou a ação. Dionísio foi morto na cadeia logo após sua prisão, em 2002.

A promotoria sustenta que o crime está ligado a denúncias de corrupção na administração pública de Santo André. Celso Daniel teria descoberto que o dinheiro do esquema de corrupção instalado na prefeitura para financiar campanhas eleitorais do PT estava sendo utilizado para arcar com gastos pessoais dos envolvidos. "O esquema para beneficiar o PT ele (Celso Daniel) sabia e concordava. Não concordou com o enriquecimento pessoal dos envolvidos", disse o promotor.

Então, ainda de acordo com o MP, foi forjado um sequestro para encobrir a real motivação do crime. O corpo de Celso Daniel foi encontrado dois dias após sua captura com marcas de oito tiros em Juquitiba, São Paulo. Carvalho afirma que há uma "clareza solar" de que o prefeito foi torturado.

Segundo a polícia, Celso Daniel teria sido sequestrado por engano, por uma quadrilha da favela Pantanal, localizada na divisa entre São Paulo e Diadema, liderada por Ivan Rodrigues da Silva, o Monstro – que, na verdade, tinha planejado o rapto de um empresário que não deu certo.

Para o julgamento, que tem previsão de ser concluído na sexta-feira, a defesa dos cinco réus arrolaram 13 testemunhas - o que não significa que todas serão ouvidas. A acusação não arrolou nenhuma testemunha, segundo o promotor, por "absoluta falta de necessidade", uma vez que as provas técnicas e os autos já seriam suficientes. Carvalho acredita que os réus serão condenados a penas que devem variar de 12 a 30 anos.

Dez anos após o crime, apenas um dos acusados foi julgado. Marcos Roberto Bispo dos Santos, que dirigia a Santana durante o sequestro, foi condenado a 18 anos de prisão em 2010.

    Leia tudo sobre: caso celso danielcelso daniel

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG