Dez dias após a publicação de imagens suas com Cavendish, governador do Rio lançou campanha publicitária com lema 'Dignidade'

selo

Dez dias depois do início da publicação de imagens do governador Sérgio Cabral (PMDB) em viagens luxuosas com o dono da construtora Delta, Fernando Cavendish, o governo fluminense deflagrou nesta segunda campanha publicitária que será veiculada em jornais, revistas, rádios, TVs e internet, ao custo de R$ 13 milhões.

Leia também: Oposição pedirá convocação de Cabral em CPI

Poder Online:  "Depoimento de Cabral é inevitável", diz senador do PMDB

Sérgio Cabral durante inauguração da 33ª DP (1/2/2011)
Carlos Magno
Sérgio Cabral durante inauguração da 33ª DP (1/2/2011)

Com o lema "Dignidade", os anúncios divulgam o programa Renda Melhor/ Rio Sem Miséria, em que o Estado complementa o Brasil Sem Miséria do governo federal e atende famílias em pobreza extrema, com renda per capita inferior a R$ 100 mensais. A propaganda vai até o fim de junho.

Por meio da assessoria de imprensa, o governo negou que a veiculação da campanha neste momento tenha relação com a divulgação de fotos e vídeos das viagens de Cabral e Cavendish, com suas mulheres, no blog do deputado e ex-governador Anthony Garotinho (PR). As imagens começaram a ser publicadas no dia 27 de abril. Todos os dias, Garotinho publica novas fotos ou denúncias contra Cabral.

Segundo a assessoria, a divulgação do Renda Melhor já estava programada e foi possível graças à renovação do contrato de publicidade do governo, por meio de licitação, em meados de abril. O contrato prevê gasto anual de R$ 180 milhões. O governo negou ter feito pesquisa de opinião para saber o impacto das denúncias de Garotinho na imagem do governador e na avaliação do governo.

As peças publicitárias anunciam a marca de 1 milhão de pessoas beneficiadas com o Renda Melhor, comemorada em solenidade com a presença da presidenta Dilma Rousseff , no dia 26 de abril. A assessoria informa que a campanha segue a mesma linha da realizada em 2011, com o slogan "Rio, marca registrada do Brasil", que custou R$ 15 milhões.

"Desde 2007, o governo do Estado mantém uma estratégia de comunicação voltada para a divulgação de serviços públicos realizados à população. Apesar de o Estado do Rio de Janeiro ter o segundo orçamento estadual do Brasil e de ser o segundo PIB do país, o Estado não tem, no ranking nacional, a segunda maior conta publicitária brasileira", diz o governo em nota.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.