Denúncias contra Agnelo fazem PPS deixar base governista no DF

Executiva Nacional do partido, de oposição ao governo federal, determinou ao Diretório Regional que a legenda entregue seus cargos

Reuters |

A Executiva Nacional do PPS determinou a seu Diretório Regional no Distrito Federal que deixe a base de apoio ao governador Agnelo Queiroz (PT), suspeito de envolvimento com Carlinhos Cachoeira, informou a assessoria do partido nesta terça-feira.

CPI do Cachoeira: Conselho de Ética abre processo contra Demóstenes Torres

Leia mais: Conselho de Ética nega prazo maior para defesa de Demóstenes

Em reunião nesta terça, a Executiva decidiu por unanimidade a saída da base e a entrega dos cargos da legenda no DF. O PPS, que no âmbito nacional se opõe ao governo da presidente Dilma Rousseff, ocupa a Secretaria de Justiça do DF, a diretoria do PROCON-DF e duas administrações regionais: de Planaltina e do Guará.

Saiba mais: Delta usou Cachoeira para monitorar TCU, diz PF

Carlinhos Cachoeira é acusado de chefiar uma rede de jogos ilegais. Suas ligações políticas e empresariais originaram uma CPI mista no Congresso Nacional, a partir de interceptações telefônicas feitas pela Polícia Federal.

Agnelo é supostamente citado nos grampos da PF, que investigava a rede de jogos ilegais. Denúncias publicadas na imprensa sugerem que secretários do governador teriam contato com o grupo de Cachoeira. Mais dois governadores são alvos de suspeitas de envolvimento com o suposto contraventor: Sérgio Cabral (PMDB), do Rio de Janeiro, e Marconi Perillo (PSDB), de Goiás.

Outro político citado nas denúncias de envolvimento com Cachoeira é o senador Demóstenes Torres (sem partido-GO), que enfrenta um processo por quebra de decoro no Conselho de Ética do Senado.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG