Conselho de Ética quer encerrar caso Demóstenes antes do recesso

Recesso está previsto para 18 de julho; relator Humberto Costa quer ouvir Cachoeira no dia 17 de maio

iG São Paulo |

O presidente do Conselho de Ética do Senado, Antonio Carlos Valadares (PSB-SE), estima que o processo aberto nesta terça-feira contra Demóstenes Torres (sem partido-GO) seja encerrado antes do recesso, previsto para 18 de julho.

Leia também: Conselho de Ética aprova abertura de processo contra Demóstenes

AE
O presidente do Conselho de Ética, senador Antonio Carlos Valadares, e o relator senador Humberto Costa (PT-PE) participam da reunião do Conselho de Ética

iG explica: Entenda a crise envolvendo o senador Demóstenes Torres

Demóstenes é acusado de envolvimento nas negociatas do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira , que está preso desde 29 de fevereiro . Segundo operações da Polícia Federal, o senador goiano é acusado de utilizar seu mandato para beneficiar o bicheiro. Demóstenes foi flagrado, em escutas telefônicas, em mais de 300 ligações com Cachoeira.

Valadares reconheceu que o relator Humberto Costa (PT-PE) vai ter que munir-se de argumentos contra as manobras "procastinatórias" que serão utilizadas defesa, visando adiar o encerramento do caso.

Na quinta-feira, Valadares volta a reunir o Conselho de Ética para a deliberação de requerimentos, entre eles, um defendido pelo relator Humberto Costa para convocar Cachoeira no próximo dia 17 de maio. Será decidido também se o primeiro depoente será Demóstenes Torres.

Saiba mais: Membros da CPI reclamam de ‘sala da verdade’ para acessar inquérito

Em relação ao advogado da defesa, Antonio Carlos de Almeida Castro, Valadares disse que todos os meios jurídicos que ele possui para defender seu cliente serão concedidos. "Todos os meios de prova serão aceitos: depoimentos, documentos, testemunhas, perícias", explicou o presidente do Conselho.

Kakay, como é conhecido o advogado, disse que pleiteará o direito de trazer um perito técnico para avaliar os áudios do inquérito de Carlinhos Cachoeira. Ele também terá como testemunha de defesa o advogado goiano Ruy Cruvinel.

Também segundo Valadares, se o Conselho de Ética entender que houve quebra do decoro parlamentar por parte de Demóstenes, o processo será enviado ao exame da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). Só depois o processo seguirá para o plenário do Senado.

Nesta terça-feira, durante reunião, o Conselho de Ética aprovou a abertura do processo que pode levar à cassação de Demóstenes. Por unanimidade, os membros do Conselho acataram a sugestão contida no relatório preliminar de Humberto Costa.

Com Agência Senado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG