Procurador da República diz que pedirá inquérito para investigar Perillo

Governador de Goiás é um dos citados em grampos da operação da PF, mas nega envolvimento com Cachoeira

iG São Paulo |

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, disse nesta segunda-feira que pedirá abertura de inquérito no Superior Tribunal de Justiça (STJ) para investigar o governador de Goiás, Marconi Perillo, no âmbito das operações Vegas e Monte Carlo que resultaram na prisão do bicheiro Carlinhos Cachoeira. Embora citado nos grampos da Polícia Federal, ele nega qualquer envolvimento com o contraventor.

Diferentemente do que foi informado pela agência de notícias Reuters, Gurgel não pedirá abertura de inquérito sobre o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, uma vez que o petista já é alvo de investigação no STJ. "Em relação ao governador Agnelo, já há um inquérito em andamento no STJ e há outros fatos sndo examinados pela PGR que podem resultar em novos inquéritos", disse Gurgel

Leia também: Sem acesso ao inquérito, Cachoeira deve ficar em silêncio na CPI

CPI do Cachoeira: Parlamentares reclamam de ‘sala da verdade’ para acessar inquérito

Sobre o governador do Rio, Sérgio Cabral, Gurgel disse que não há "iniciativa no sentido de instalação de inquérito", mas pediu informações preliminares à Controladoria-Geral da União (CGU), ao Tribunal de Contas da União (TCU) e à Procuradoria da República do Rio de Janeiro "a respeito de contratos que envolvem a construtora Delta".

Nesta segunda, a Procuradoria Geral da República também encaminhou ao STJ parecer pela manutenção da prisão preventiva de Carlinhos Cachoeira.

Cabral tem conversado com a cúpula do PMDB para prestar explicações antecipadas sobre sua relação com a Delta e pedido "solidariedade" aos correlegionários.

O PT e PMDB dificilmente aceitarão um acordo para blindar Cabral, Agnelo e Perillo na CPI do Cachoeira. O PMDB não vê motivos para convocar Cabral à CPI, já que ele não foi citado, até agora, nas investigações das operações Vegas e Monte Carlo, da Polícia Federal. O elo de Cabral com as investigações está na sua amizade com o ex-presidente da Delta Construções, Fernando Cavendish. A construtora está no centro das apurações da comissão.

Já o PT acredita que um acordo para blindar ou amenizar os depoimentos dos governadores, convocando-os para uma sessão conjunta da CPI mista, só interessa ao PSDB, porque a PF diz em seus relatórios que Perillo recebeu dinheiro de Cachoeira e ainda nomeou uma pessoa da confiança do empresário para comandar o Detran de Goiás.

O presidente da CPI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) não quis comentar se essa ação do procurador pode criar um clima adicional para convocação imediata dos governadores. Disse, porém, que mudanças no plano de trabalho aprovado na semana passada podem ocorrer se houver acordo entre os líderes partidários.

Com Reuters

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG