Ex-diretor da Delta é transferido para presídio da Papuda

Claudio Abreu, Wesley Silva e outros detidos na operação Saint-Michelt na quarta-feira estão no mesmo presídio de Cachoeira

iG São Paulo |

O ex-diretor regional da Delta Construções Claudio Abreu, afastado da empresa desde o dia 8 de março, o vereador de Anápolis Wesley Silva (PMDB-GO) e mais dois presos foram transferidos na manhã desta sexta-feira para o Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília. Eles foram detidos na quarta-feira durante a operação Saint-Michelt.

Leia também: Ex-diretor da Delta e vereador de Anápolis são presos em Goiás

AE
O ex-diretor da Delta Construções Cláudio Abreu é preso pela Polícia Civil (25/4/2012)

A operação, deflagrada pelo Ministério Público do Distrito Federal, com apoio do MP de Goiás e da Polícia Civil do Distrito Federal tem origem na Operação Monte Carlo , da Polícia Federal, que prendeu o bicheiro Carlinhos Cachoeira em fevereiro. O contraventor também está detido na Papuda.

As suspeitas da PF são de que a construtora teria alimentado doações eleitorais repassadas por Cachoeira. Por conta das suspeitas, o proprietário da Delta, Fernando Cavendish, se afastou do comando da empresa , junto ao diretor Carlos Pacheco.

Saint-Michelt

Na quarta-feira, foram cumpridos quatro mandados de prisão e cinco de busca e apreensão em Goiânia e Anápolis, deferidos pelo juízo da 5ª Vara Criminal de Brasília. Claudio Abreu, Valdir Reis e mais uma pessoa cujo nome não foi divulgado foram presos na capital e Wesley Silva em Anápolis.

Dos mandados de busca e apreensão, quatro foram cumpridos em residências e um na Câmara Municipal de Anápolis. De acordo com o MP-GO, medidas também foram cumpridas em Brasília e São Paulo, com apoio do Ministério Público do Estado de São Paulo.

Silva era amigo da família Cachoeira e chegou a ir ao velório de Maria José de Almeida Ramos, a dona Zezé, 79 anos, mãe do contraventor.

O vereador, inclusive, deu entrevistas pregando a realização de campanhas para que os eleitores se sentissem estimulados a votar, apesar da associação de políticos com Cachoeira. “Não vejo Cachoeira como um tsunami. Creio que o eleitor não faz mau juízo dele. O eleitor fica descrente com os políticos, não com o empresário”, disse em entrevista recente ao jornal Opção, de Goiás.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG