Ministro diz que Dilma vai analisar ‘com calma’ o Código Florestal

Câmara impôs derrota ao governo ao aprovar texto mais favorável a ruralistas. Carvalho lembrou que presidenta tem direito a veto

iG São Paulo |

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, disse nesta quinta-feira (26) que o texto do Código Florestal, aprovado ontem (25) na Câmara dos Deputados , não foi o esperado pelo governo e lembrou que a presidenta tem direito ao veto e irá analisar a possibilidade com "calma" e “serenidade”.

Poder Online: Dilma deve vetar partes do Código Florestal aprovado pelo Congresso

Leia também: Código Florestal coloca líder do PMDB mais perto de presidência

Agência Brasil
Ministro Gilberto Carvalho lembra que Dilma pode vetar texto do novo Código Florestal

“É público e notório que nós esperávamos um resultado que desse sequência àquilo que foi acordado no Senado”, disse. “Como nos é dado também pela Constituição o direito ao veto, a presidenta vai analisar com muita serenidade, sem animosidade, sem adiantar nenhuma solução. Vamos analisar com calma”, afirmou após participar da abertura do debate Diálogos Sociais: Rumo à Rio+20.

Leia mais: Câmara aprova texto-base do Código Florestal

Gilberto Carvalho minimizou a "vitória" da bancada ruralista na aprovação do texto e respondeu que se trata de uma “correlação de forças” no Congresso. “Agora nós vamos, com sangue-frio e tranquilidade, analisar”, destacou.

O ministro disse ainda que a decisão da presidenta Dilma levará em conta aspectos além da repercussão que o Código Florestal possa ter na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20). “Muito mais importante que a Rio+20 é o nosso cuidado com a preservação e com o modelo de desenvolvimento sustentável que pregamos.”

O texto base do novo Código Florestal foi aprovado na Câmara dos Deputados com as mudanças propostas pelo relator da matéria, deputado Paulo Piau (PMDB-MG), que agradaram aos ruralistas.

O governo e os ambientalistas defendiam o texto aprovado pelos senadores e enviado à Câmara para nova votação, com o argumento que, no Senado, a proposta havia sido acordada com o setor produtivo e com os ambientalistas, e que também contou com a aprovação de deputados.

Com Agência Brasil

    Leia tudo sobre: código florestal

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG