Câmara impôs derrota ao governo ao aprovar texto mais favorável a ruralistas. Carvalho lembrou que presidenta tem direito a veto

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, disse nesta quinta-feira (26) que o texto do Código Florestal, aprovado ontem (25) na Câmara dos Deputados , não foi o esperado pelo governo e lembrou que a presidenta tem direito ao veto e irá analisar a possibilidade com "calma" e “serenidade”.

Poder Online: Dilma deve vetar partes do Código Florestal aprovado pelo Congresso

Leia também: Código Florestal coloca líder do PMDB mais perto de presidência

Ministro Gilberto Carvalho lembra que Dilma pode vetar texto do novo Código Florestal
Agência Brasil
Ministro Gilberto Carvalho lembra que Dilma pode vetar texto do novo Código Florestal

“É público e notório que nós esperávamos um resultado que desse sequência àquilo que foi acordado no Senado”, disse. “Como nos é dado também pela Constituição o direito ao veto, a presidenta vai analisar com muita serenidade, sem animosidade, sem adiantar nenhuma solução. Vamos analisar com calma”, afirmou após participar da abertura do debate Diálogos Sociais: Rumo à Rio+20.

Leia mais: Câmara aprova texto-base do Código Florestal

Gilberto Carvalho minimizou a "vitória" da bancada ruralista na aprovação do texto e respondeu que se trata de uma “correlação de forças” no Congresso. “Agora nós vamos, com sangue-frio e tranquilidade, analisar”, destacou.

O ministro disse ainda que a decisão da presidenta Dilma levará em conta aspectos além da repercussão que o Código Florestal possa ter na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20). “Muito mais importante que a Rio+20 é o nosso cuidado com a preservação e com o modelo de desenvolvimento sustentável que pregamos.”

O texto base do novo Código Florestal foi aprovado na Câmara dos Deputados com as mudanças propostas pelo relator da matéria, deputado Paulo Piau (PMDB-MG), que agradaram aos ruralistas.

O governo e os ambientalistas defendiam o texto aprovado pelos senadores e enviado à Câmara para nova votação, com o argumento que, no Senado, a proposta havia sido acordada com o setor produtivo e com os ambientalistas, e que também contou com a aprovação de deputados.

Com Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.