STF abre três inquéritos para investigar deputados no caso Cachoeira

Lewandowski pediu o desmembramento das investigações contra Carlos Leréia, Sandes Júnior e Stepan Nercessian

iG São Paulo |

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou nesta terça-feira (24) a abertura de três inquéritos contra os deputados federais Carlos Leréia (PSDB-GO), Sandes Júnior (PP-GO) e Stepan Nercessian (PPS-RJ).

CPI do Cachoeira: Relator diz que vai investigar 'doa a quem doer'

Exclusivo: “Não dedo nem meus inimigos”, diz tucano amigo de Cachoeira

Lewandowski atendeu a um pedido feito pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, que pediu o desmembramento das investigações contra os três deputados do inquérito em que está sendo apurada a ligação do senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) com o empresário Carlos Augusto Ramos, conhecido como Carlinhos Cachoeira.

iG Explica: Entenda a rede de 'negócios' do bicheiro Cachoeira, alvo da CPI

Galeria de fotos: Veja quem são os integrantes da CPI do Cachoeira

O ministro concluiu que não haveria conexão entre os fatos imputados aos deputados e aqueles envolvendo Demóstenes. Todos são investigados por supostas ligações com Cachoeira, que, segundo a Polícia Federal, organizou um esquema de jogo ilegal em Goiás e de lavagem de dinheiro. Mas, cada um dos parlamentares será investigado por uma relação diferente com Cachoeira.

Como o processo corre sob segredo de Justiça, os detalhes dos fatos envolvendo cada parlamentar não foram revelados ao público.

Segundo investigação da PF, Lereia negociava com o grupo de Cachoeira e teria recebido depósitos bancários e bens - inclusive imóveis - obtidos com atividades ilícitas. Leréia é aliado do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), e, a exemplo do senador Demóstenes Torres (DEM-GO), também usava um telefone da marca Nextel, habilitado nos Estados Unidos, cedido por Cachoeira para dificultar grampos nas comunicações do grupo.

Stepan Nercessian confirmou que recebeu R$ 175 mil de Cachoeira, de quem disse ser amigo há 19 anos. Ele chegou a afirmar que desconhecia as atividades ilegais de Cachoeira e explicou ter tomado o "dinheiro emprestado de emergência", mas que o mesmo já teria sido devolvido. Nercessian se licenciou do seu partido, o PPS, e pediu investigação contra si próprio.

Já Sandes Júnior surgiu nas interceptações da Polícia Federal tratando sobre editais de concorrência com Cachoeira.

Com Valor Online

    Leia tudo sobre: cpicaso cachoeiraoperação monte carlo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG