Comissão de Ética pode investigar Padilha por elo com Cachoeira

Nome de ministro teria sido citado por grupo ligado ao bicheiro em negócio na área da saúde

Agência Brasil |

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, poderá ser investigado pela Comissão de Ética Pública da Presidência da República, informou hoje (24) o presidente da comissão e ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence.

Galeria de fotos: Veja quem são os integrantes da CPI do Cachoeira

CPI do Cachoeira: Relator diz que vai investigar 'doa a quem doer'

Agência Estado
Citado em grampos, Padilha nega qualquer relação com o bicheiro Cachoeira

Segundo reportagem do jornal Folha de S.Paulo, Padilha teve o nome citado em uma conversa telefônica em que teria autorizado o grupo do empresário suspeito de comandar esquema de jogos ilegais, Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, a dar sequência a um negócio na área da saúde. Na ocasião, o ministro negou qualquer relação com o grupo do bicheiro.

Saiba mais: Confira lista dos parlamentares que assinaram a CPI do Cachoeira

Pertence afirmou que não haverá pressa na análise da denúncia e que todos os ministros de Estado estão suscetíveis a investigações da comissão.

Leia mais: 'Investigação é perda de tempo', diz deputado que se lixa

“Nós nos reunimos e analisamos o que chamamos de conjuntura. É um resumo de tudo que vocês [da imprensa] falaram, julgaram e de todos que vocês condenaram”, disse Pertence.

“Parece que [o caso de Padilha] não é questão de homicídio, que tenhamos que tomar uma decisão hoje. É mais uma acusação de possível corrupção. Então, há muito tempo. É passível de abertura de investigação. Todo mundo pode ser investigado”, informou o presidente.

Sepúlveda Pertence ainda classificou de abusiva a quantidade de escutas telefônicas autorizadas pela Justiça no Brasil. Convidado pela Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara para falar sobre as atribuições e o funcionamento da Comissão de Ética, Pertence criticou a atual estrutura da comissão. Segundo ele, o órgão é “um ente de pobreza franciscana”, com orçamento de R$ 600 mil.

Sobre os processos que estão em andamento na comissão, o presidente informou que a ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, já ofereceu esclarecimentos sobre as denúncias de irregularidade no Ministério da Pesca.

Sobre o caso do ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, Pertence disse que a comissão pediu informações adicionais, mas que ainda não obteve resposta.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG