Pré-candidato do PT à prefeitura de São Paulo acusou neste sábado Kassab de ter visão antiga de como fazer política

selo

O pré-candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad , atribuiu neste sábado ao prefeito Gilberto Kassab (PSD) uma visão antiga de como se faz política. Segundo ele, o governo federal tem vários programas disponíveis para São Paulo, mas que não foram executados ainda por pura falta de interesse da prefeitura. "Nós não conseguimos trazer a Universidade Federal para a zona leste, nós ainda não conseguimos trazer o Instituto Federal para a zona noroeste, nós ainda não conseguimos conveniar a construção de 172 creches na cidade de São Paulo por falta de interesse", criticou.

Campanha: Lula une Marta e Haddad em evento em São Bernardo
Apoio da presidenta: Haddad diz que Dilma é 'conselheira' na corrida à prefeitura

O petista fez as afirmações em conversa com jornalistas após ter participado do seminário temático "Conversando São Paulo sobre Saúde", do qual participou também o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. "Não instalamos nenhum toldo da Universidade Aberta do Brasil na cidade de São Paulo por falta de interesse. Enfim, o conjunto de ações do Ministério da Educação ainda não chegou na cidade de São Paulo", disse Haddad. "Eu entendo que a cidade não deve recusar aquilo que é dela. Retornar recursos federais na forma de benefícios é natural, uma vez que o contribuinte paulistano recolhe para os cofres municipal, estadual e federal. Então, tem que retornar. O que não faz sentido é a Prefeitura recusar a parceria", disse. 

Ao ser indagado se a afirmação dele se chocava com as declarações do prefeito Kassab, que vive apregoando seu estreito relacionamento de trocas com o governo federal, Haddad retrucou: "Estou te passando uma informação que pode ser checada a qualquer hora junto ao Ministério da Educação". "Temos intenção de instalar a Unifesp na zona leste e estamos há três anos negociando a doação do terreno. O Pró-Infância, que é um programa do governo federal que visa a construção de creches no município, tem R$ 250 milhões previstos para a cidade e nós não estamos conseguindo realizar um convênio aqui."

Veja especial do iG sobre as eleições 2012

De acordo com ele, o prefeito não aceita o repasse destas verbas por uma visão antiga de como se fazer política. "Política se faz com parceria. Nunca discriminamos ninguém em virtude de razões partidárias porque vereadores, prefeitos e governadores de Estado têm por trás de si cidadãos com os mesmos direitos dos cidadãos de qualquer outra cidade. Então é uma visão equivocada de se fazer política pública", criticou o pré-candidato petista. 

Ele disse que comumente se ouve prefeitos e governadores esbravejarem por serem discriminados com bloqueios de verbas da União para os municípios e Estados. "Aqui é o contrário. É a União que está reclamando maior presença no município", afirmou.

No tocante à área da saúde, as críticas do petista foram endereçadas ao governo estadual e se concentraram na intenção do Estado de pleitear a autorização da Justiça para "privatizar" 25% dos leitos hospitalares conveniados ao Sistema Único de Saúde (SUS).

São Paulo: Soninha recusa ser vice se PPS fechar com Serra em São Paulo

De acordo com Haddad, há um projeto de Lei obstado por uma liminar que tem impedido o governo do Estado de repassar os leitos para a iniciativa privada. "Nós estamos fazendo as contas dos leitos SUS na cidade de São Paulo. E os leitos, independentemente de serem municipais ou estaduais, são insuficientes. Se nós privatizarmos 25% dos leitos estaduais, vai ficar ingovernável para a cidade", criticou o petista. "Já faltam leitos. Se nós abrirmos mão de um quarto deles, vamos colapsar o sistema", alertou Haddad. 

O pré-candidato prometeu que vai tentar convencer o Estado a desistir da ideia e se alinhar ao Ministério Público e impedir que isso continue. Para Haddad, apesar de esta ser uma medida adotada na esfera estadual, o prefeito pode intervir tomando partido no Ministério Público. "A Prefeitura não se manifestou sobre isso. Quer dizer, não levou ao conhecimento do Judiciário as consequências para a cidade de se perder um quarto dos leitos do Estado. O Ministério Público entrou com uma tese de princípio constitucional, mas nós queremos levar como contribuição as consequências de uma decisão como essa para a cidade de São Paulo", insistiu o petista.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.