Lista de indicados contém deputados que entraram em conflito com governadores do DF e de Goiás

Citados nas investigações da Operação Monte Carlo, os governadores Marconi Perillo (PSDB), de Goiás, e Agnelo Queiróz (PT), do Distrito Federal, terão adversários na Comissão Parlamentar de Inquérito que investigará os negócios dos empresários de jogos de azar Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

Leia também: CPI do Cachoeira terá Collor e ficha-suja entre integrantes

Comissão: Vital do Rêgo diz que aceitou presidir CPI do Cachoeira

Durante sessão, Congresso cria CPI para investigar negociatas de Carlinhos Cachoeira
Agência Câmara
Durante sessão, Congresso cria CPI para investigar negociatas de Carlinhos Cachoeira

A lista de nomes que comporá a CPI será oficializada na terça-feira, mas a maior parte dos nomes já foi escolhida pelos líderes dos partidos na Câmara e no Senado. Entre os deputados do PMDB, Íris Araújo (GO) e Luiz Pitiman (DF) são adversários, respectivamente, de Marconi Perillo e Agnelo Queiroz.

Íris é aliada dos ex-governadores peemedebistas Íris Resende e Maguito Vilella, adversários históricos do atual governador de Goiás. Pitman chegou a ser integrante do primeiro escalão de Agnelo, mas rompeu com o governador após uma série de divergências com os grupos do PT instalados no Palácio do Buriti.

Leia também: Congresso cria CPI do Cachoeira em meio a desconfianças

O deputado Fernando Francischini (PSDB-PR) é outro adversário de Agnelo. No ano passado, ele fez duras denúncias contra Agnelo relacionados à gestão dele à frente do Ministério do Esporte. Na semana passada, o tucano acusou o governador de ter usado a estrutura do Estado para investigá-lo irregularmente.

O PMDB do Senado indicou o senado Vital do Rêgo (PB) como presidente da CPI. Relator do Orçamento de 2012, ele transita bem entre os grupos peemedebistas rivais no Senado: ora está ao lado do líder da bancada, Renan Calheiros (AL), ora enfileira-se com Eduardo Braga (AM), líder do governo na Casa.

iG explica: Entenda a rede de 'negócios' do bicheiro Cachoeira, alvo da CPI

Por acordo, o posto de relator caberá a um deputado petista. Essa é maior polêmica do momento. Ex-líder do governo, Cândido Vaccarezza (PT-SP) tenta se cacifar junto à cúpula nacional do partido. Ele, porém, enfrenta resistência da ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais), que prefere Odair Cunha (PT-MG) ou Paulo Teixeira (PT-SP).

“Estou em Roma (Itália). Ninguém falou comigo. Estarei à disposição se o partido precisar”, afirmou Teixeira.

Vaccarezza é adversário do grupo de Teixeira, Odair e do líder do PT, Jilmar Tatto.
Nos bastidores, ele aposta no apoio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para ficar com a relatoria da CPI. Oficialmente, porém, ressalta: “Não sou candidato. Apoio qualquer nome indicado pelo Jilmar Tatto, o líder do PT”.

Indicações polêmicas

Ex-presidente da República, o senador Fernando Collor (PTB-AL) fará parte da comissão. Em 1992, ele deixou a presidência após uma CPI que investigou um esquema de corrupção dentro do seu governo.

Outras indicações polêmicas são dos senadores Romero Jucá (PMDB-RR) e Cássio Cunha Lima (PSDB-PB). Ambos enfrentam problemas na Justiça. Cunha Lima, por exemplo, só tomou posse este ano depois que o STF considerou que a Lei da ficha limpa não valeu para as eleições passadas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.