Congresso está certo em criar CPI do Cachoeira, diz Demóstenes

Acusado de colocar o mandato a serviço do bicheiro, senador é um dos alvos da investigação

iG São Paulo |

O principal parlamentar afetado pelas denúncias da Operação Monte Carlo, senador Demóstenes Torres (sem partido-GO), disse nesta quinta-feira (19) que apoia a criação de uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) para investigar a relação de políticos com o bicheiro Carlos Cachoeira, preso desde fevereiro sob acusação de chefiar uma quadrilha de jogo ilegal.

Leia também: Em meio a desconfianças, Congresso cria CPI do Cachoeira

iG explica: Entenda o caso Carlinhos Cachoeira

Agência Senado
Alvo de processo por elo com Cachoeira, Demóstenes diz que apoia CPI

Demóstenes, que está retornando ao Senado depois de ficar mais de um mês longe da Casa, falou rapidamente com os jornalistas e disse que sempre foi “coerente”. “Acho que o Congresso Nacional tem razão para criar a CPI. Respeito a decisão dos colegas e todos têm direito de assinar o requerimento de criação dela”.

O senador goiano é alvo de processo por quebra de decoro no Conselho de Ética do Senado. Demóstenes foi flagrado em diversas conversas com Cachoeira. Nos telefonemas grampeados, os dois tratam de numerosos negócios, como a relatoria de projetos relacionados à legalização do jogo no País.

Também no áudios, eles falam sobre o poder de influência em favor dos negócios do bicheiro no Ministério Público de Goiás, do qual o senador é membro e seu irmão é chefe.
Demóstenes disse hoje que não se sentia constrangido em voltar ao Congresso e participar das atividades parlamentares. “Esta é minha Casa, fui eleito para isso”.

Leia mais: Conselho pedirá ao STF inquérito sobre Demóstenes

O senador deverá entregar sua defesa ao Conselho de Ética no próximo dia 25. Carlos Cachoeira está preso desde fevereiro e foi transferido ontem do Presídio Federal de Mossoró (RN) para a Penitenciária da Papuda, em Brasília. A CPI criada hoje de manhã irá investigar a relação de Demóstenes, e o envolvimento de pelo menos cinco deputados federais, funcionários públicos do alto escalão dos governos do Distrito Federal e de Goiás e a construtora Delta com o empresário de jogos ilícitos.

Com Agência Brasil

    Leia tudo sobre: cpicaso cachoeiraoperação monte carlo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG