Haddad diz que Dilma é 'conselheira' na corrida à prefeitura

Pré-candidato do PT em São Paulo diz que presidenta o orienta a 'resistir às agressões' dos adversários

AE |

selo

O pré-candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad , afirmou nesta quarta-feira que tem na presidenta Dilma Rousseff uma "conselheira" em sua estreia na disputa eleitoral para um cargo no executivo. Estreante no palanque eleitoral, o petista contou que Dilma o aconselha sempre a "resistir às agressões" dos oponentes. "O desafio é não cair em pequenas armadilhas que desfoquem a atenção do cidadão para o problema que interessa a ele, que é a cidade de São Paulo", afirmou. Haddad falou em entrevista ao Grupo Estado.

Leia também: Lula une Marta e Haddad em evento em São Bernardo

Poder Online: Por apoio, Maluf quer que Serra se comprometa a terminar mandato

Veja especial do iG sobre as eleições 2012 

Ao falar da importância em ter a Presidente da República como uma das conselheiras em sua caminhada na disputa pela maior Prefeitura do País, Haddad frisou: "Eu consulto muito a presidenta sobre os próximos passos, para saber como é que alguém que está estreando eleitoralmente se porta diante de situações novas, que foram novas para ela e são novas para mim", contou o pré-candidato petista, numa referência ao fato de que Dilma também foi estreante numa disputa para o executivo, na eleição geral de 2010, na qual derrotou o tucano José Serra.

São Paulo: Soninha recusa ser vice se PPS fechar com Serra 

Embora a presidente diga que se manterá longe das campanhas, em especial em locais onde candidatos da base aliada do governo federal disputam o pleito, como é o caso de São Paulo, que tem o deputado federal Gabriel Chalita como pré-candidato do PMDB, Haddad já estabeleceu linha direta com Dilma. "Conversamos longamente sobre o assunto, até pela coincidência de vivermos uma situação análoga. Ela viveu a sua primeira eleição sendo ministra do Lula, eu estou vivendo minha primeira experiência eleitoral sendo ministro dela e do Lula", disse.

Leia também: Serra assedia católicos para neutralizar Chalita

Apesar da orientação constante de Dilma nos bastidores, o pré-candidato ponderou que, como presidente da República, ela dosará sua participação na campanha em São Paulo. "Ela é quem precisa saber da conveniência para seu governo quanto a manifestar apoio explícito à minha candidatura", observou. 

Em alto nível

Haddad lembrou ainda a campanha presidencial de 2010, quando temas polêmicos, como aborto, foram levantados no debate. O petista disse que gostaria que a campanha municipal tivesse um nível diferente do último pleito e que espera que o pré-candidato do PSDB, José Serra, adote uma postura mais propositiva.

"Minha sensação é que o PSDB deve ter aprendido com 2010, e isso não sou eu quem está falando, é o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o hoje senador Aécio Neves (PSDB-MG). Eles criticaram a campanha do (ex) prefeito (José Serra) em 2010 e classificaram a campanha como ruim para o próprio PSDB", ponderou Haddad. E garantiu: "Eu quero crer que o PSDB tenha aprendido com isso e nos ofereça uma campanha de melhor nível. Nós faremos uma campanha de excelente nível". 

Transparência total

Questionado sobre a possibilidade de temas como o escândalo envolvendo o bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, e o julgamento do mensalão contaminarem a campanha municipal em São Paulo, o petista defendeu "transparência total" nos dois casos. "Se precisar apurar, apura. Se precisar punir, desde que com Justiça e com base nas provas, que se puna. Não podemos conviver com a impunidade e com a opacidade, com a não transparência da política", pregou.

Para Haddad, os políticos não podem temer que suas vidas sejam expostas à população. "Nós temos de expor a nossa vida com tranquilidade. Se você não tem perfil para servir ao povo, vai fazer outra coisa. Sou a favor da transparência total", acrescentou.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG