Deputados protocolam pedido de CPI do Cachoeira

Expectativa da oposição é de que o requerimento seja lido na próxima quinta-feira, durante sessão do Congresso

iG São Paulo |

Líderes partidários da Câmara e do Senado protocolaram na noite da terça-feira o pedido de criação da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) para investigar o envolvimento de parlamentares com o bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, preso em uma operação da Polícia Federal .

Leia também: Câmara e Senado já têm assinaturas para criar a CPI do Cachoeira

AE
Carlinhos Cachoeira é acusado de comandar máfia de máquinas de caça-níqueis

A expectativa da oposição é de que o requerimento seja lido na próxima quinta-feira, em sessão do Congresso Nacional, o que oficializaria a criação da CPMI. Representantes da base governista, segundo a Agência Câmara, não se manifestaram sobre esse prazo.

Antes da leitura em sessão conjunta, que deverá ser feita pela primeira vice-presidente do Congresso, a deputada Rose de Freitas, as duas Casas devem conferir as assinaturas. Até o fim de uma noite antes do dia da sessão, os partidos podem incluir ou retirar assinaturas do documento. O presidente do Senado, José Sarney, segue internado em São Paulo.

Na entrega das assinaturas da Câmara, ACM Neto estava acompanhado dos deputados Lincoln Portela (PR-MG), Chico Alencar (PSOL-RJ) e de outros líderes partidários. Segundo ACM Neto, agora é aguardar a instalação da CPI. "A Câmara dos Deputados já fez seu papel", disse.

Poder Online: PSDB e PT podem entregar as cabeças de Perillo e Agnelo

Na terça, a ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvati, negou que o governo queira recuar da instalação da CPI . “Não tenho qualquer informação sobre recuo. Estamos focados em fazer com que as votações continuem dentro da normalidade”, disse Ideli. A ministra reuniu-se hoje por uma hora e meia com os líderes da base governista para um café da manhã.

Uma das avaliações é que a CPI pode ampliar seu alcance e atingir alvos políticos próximos ao Planalto, e não apenas o senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO) , também alvo de processo por quebra de decoro no Conselho de Ética do Senado. Também os governadores Marconi Perillo (PSDB-GO) e Agnelo Queiroz (PT-DF), citados em escutas telefônicas da Operação Monte Carlo, podem ser rifados embora publicamente tucanos e petistas defendam os dois.

Exclusivo: Jogo do bicho ignora CPI e corre solto na Esplanada dos Ministérios

Leia também: PMDB quer CPI para negociar com Dilma

Sobre Demóstenes, os representantes do Conselho de Ética do Senado se reuniram na terça com o ministro Ricardo Lewandowski para pedir o compartilhamento de informações sobre as operações Vegas e Monte Carlo, da Polícia Federal. O magistrado do Supremo Tribunal Federal (STF) é relator do processo sobre o envolvimento de Torres com Cachoeira.

Com Agência Câmara e Agência Senado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG