Cachoeira é transferido de presídio e chega a Brasília

Contraventor deixou Mossoró na noite de terça-feira e no início da manhã desembarcou no DF, onde passa por exames no IML

iG Brasília e iG São Paulo |

O contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira , foi transferido na noite de terça-feira do Presídio Federal de Mossoró (RN), onde estava preso, e chegou por volta das 8h desta quarta-feira em Brasília.

Leia também: Cachoeira usou polícia do DF para fechar bingos em Brasília

AE
Carlinhos Cachoeira é acusado de comandar máfia de caça-níqueis

Carlinhos Cachoeira passou por exames de corpo delito no Instituto Médico Legal (IML) de Brasília, e, segundo assessoria de imprensa da Polícia Federal, já está recolhido no Complexo Penitenciário da Papuda, onde dividirá uma cela com 22 presos.

Leia também: Grupo de Cachoeira determinava até promoções de PMs em Goiás
Operação Monte Carlo: Polícia Federal prende Carlinhos Cachoeira

Segundo a Secretaria de Segurança do Distrito Federal, ele ficará no Centro de Detenção Provisória da Papuda, em uma área destinada à presos da Polícia Federal (PF). Carlinhos Cachoeira ficará à disposição da Justiça por tempo indeterminado.

A transferência, acompanhada por policiais federais e do departamento penitenciário, foi feita em um voo comercial de Fortaleza com direção ao Distrito Federal. O trajeto de Mossoró à capital cearense foi feito de carro.

A mudança de presídio ocorreu depois que a Justiça acatou o pedido dos advogados de defesa de Cachoeira que argumentavam que seu cliente não deveria ser submetido aos rigores do sistema prisional federal, com diversas restrições que não são aplicadas em outros presídios.

Cachoeira está preso desde 29 de fevereiro. Sua transferência para a penitenciária de segurança máxima de Mossoró foi pedida pelo Ministério Público e deferida pela Justiça Federal em Goiás.

Oposição: ‘Combate ao jogo do bicho é hipocrisia’

Os advogados de Cachoeira pediram um habeas corpus no final de março. A Terceira Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região negou, por unanimidade, o pedido de liberdade. Os desembargadores julgaram que era preciso manter Cachoeira preso para garantir a manutenção da ordem pública.

O bicheiro foi preso na operação Monte Carlo da Polícia Federal sob a acusação de chefiar uma rede de exploração de máquinas de caça-níqueis.

Com Agência Brasil

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG