Durante mais de 15 horas, Policiais realizaram patrulhamento para checar denúncia de pesca ilegal no Rio Grande em Paulo de Faria, interior do Estado

Você sabia que um dos mais antigos costumes da civilização quando feito de maneira incorreta pode se transformar em crime ambiental? Sim! A pesca pode ser uma grave infração quando não são respeitados alguns limites. A Polícia Militar Ambiental combate esse tipo de ação.

Leia também: Canil da PM varre o tráfico de drogas das comunidades de São Paulo

Material apreendido com os pescadores no interior de São Paulo
Divulgação/PMAmbiental
Material apreendido com os pescadores no interior de São Paulo

No último domingo (15), a Polícia Militar Ambiental realizou mais de 15 horas de patrulhamento náutico para coibir um tipo de ocorrência que vem crescendo no interior do Estado, a pesca subaquática. Os Cabos Ariguchi e Laforga e o Soldado Alvelan flagraram a ação no Rio Grande em Paulo de Faria.  

"A gente tinha denúncia específica desse crime. A pesca submarina é permitida, mas existem algumas restrições. Por exemplo, não é permitido captura de peixe nativo, nem pescar usando iluminação artificial e cilindro para respiração. Esses instrumentos facilitam a captura, o que é proibido já que transforma a prática em pesca seletiva. O pescador também precisa respeitar o limite de 10 quilos de peixe", diz o Capitão Daleck.

Leia também: Entenda como o Comando de Choque da PM atuou na greve dos caminhoneiros

Durante o patrulhamento, sete pessoas foram flagradas na pesca ilegal. "Esse tipo de crime exige muito das equipes. É muito difícil de ser flagrado. Temos que escolher a hora certa de fazer a abordagem para flagrar a infração e ter certeza da pesca ilegal. O barco fica parado na superfície e os mergulhadores na água. Ficamos de longe e usamos binóculos para fazer a ação certeira", continua o Capitão.

Ao todo, os PMs realizaram seis abordagens no domingo. "Dois barcos estavam com pescadores que respeitavam a lei e estavam com tudo dentro da normalidade. Mas nos outros dois haviam infrações. Eram mais de sete quilos de peixes que são proibidos de serem pescados como o pintado e a piapara", afirma o Capitão Daleck.

Os pescadores foram multados e todo o material, assim como os barcos, foi apreendidos pela Polícia Militar Ambiental. "Cada infrator recebe uma multa de R$ 700,00 mais um acréscimo de R$ 20 por quilo de peixe apreendido", relata o Capitão. 

Leia também: "Ficaram emocionados ao ver o COE", diz PM após salvar jovens perdidos em mata

Segundo a PMA, esse tipo de crime tem crescido muito e desperta a preocupação dos Policiais. "Além de ser um crime ambiental de impacto, a pesca submarina pode representar um perigo para os próprios pescadores que podem acabar de se ferindo ao atingir uma outra pessoa durante a prática", finaliza o Policial .

Números de 2017

Peixes apreendidos pela PM Ambiental no interior de São Paulo
Divulgação/PMAmbiental
Peixes apreendidos pela PM Ambiental no interior de São Paulo

No ano passado foram registradas 11 ocorrências de pesca subaquática. Com 23 autos de infração ambiental e apreensão de 91kg de peixe. As multas chegaram em 24.900,00.

Já em 2018, a Polícia Militar Ambiental  registrou cinco ocorrências. Com 14 flagrantes e 32 kg de pescado apreendidos. Ao todo, as multas chegam a 16.280,00.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.