Operação para inibir baile funk na comunidade de Paraisópolis acaba com apreensão de grande quantidade de drogas, armas, munição e até dinamites

Eram 51 viaturas e também o Grupamento Aéreo da PM. Uma Operação chamada de "Pancadão" realizada para inibir os bailes funk da região de Paraisópolis, mas quem sentiu o peso da ação da Polícia Militar foi o tráfico de drogas. O Canil da PM nunca era o alvo.

Leia também: Policial Militar nega suborno de criminosos e apreende R$ 1,8 milhão em SP

Canil da PM encontra armas, drogas, bananas de dinamite e munição em favela da zona sul
divulgação/canil da PM
Canil da PM encontra armas, drogas, bananas de dinamite e munição em favela da zona sul

Quando o Tenente Miranda recebeu a missão de fazer parte dessa ação, ele sabia que junto com seus homens iria para uma área complicada da capital paulista. " A gente tinha um 'norte' que era a viela do passarinho. Um lugar bem problemático, no miolo da favela. Onde tudo acontece", disse o Tenente do Canil da PM .

A "Operação Pancadão" começou às 18h de sábado, mas foi apenas no início da madrugada de domingo que ela mostrou seu verdadeiro resultado. "Como a movimentação da PM começou cedo, acabou que não tinha nenhum baile no dia. Tinha uma grande movimentação de pessoas que deviam estar ali para isso, mas nós coibimos tudo isso. Tinha carros e tudo mais, mas nada de música", continua o Tenente Miranda.

Depois que a favela foi tomada, os Policiais começaram as ações pontuais. "A princípio nos passamos por essa viela que era nosso alvo e saímos, para ver se os traficantes voltavam. Mas depois que a favela estava toda tomada, nós voltamos ali para fazer um pente fino", diz o Policial .

Explosivos encontrados pelo Canil da PM
Divulgação/Canil PM
Explosivos encontrados pelo Canil da PM


Com o cão Seth, conduzido pelo Soldado Eduardo, o Canil da PM entrou pela viela para procurar algum tipo de armazém do tráfico e não deu outra. "Nós encontramos um barraco, na verdade era dois cômodos, e ali dentro, no chão mesmo, tinha muita coisa. É até estranho por que os criminosos não costumam deixar drogas, armas e explosivos juntos. Tivemos que acionar o GATE para apreender as dinamites", finaliza o Tenente Miranda.

Leia também: Policiais Militares da ROCAM impedem massacre em jogo

Ao todo, os PMs apreenderam: Uma espingarda, dez simulacros, um colete, 35 tijolos de maconha (45,6 kg), um saco com cocaina (15 Kg), munições de diferentes calibres três carregadores, 19 bananas de dinamite, cordel detonante, dois detonadores, dois galões de lança perfume, 138 frascos de lança perfume, uma balança de precisão e uma balaclava. O material foi conduzido para o 89 Distrito Policial.

Assista ao momento em que o Cão encontra o "quarto do crime"


Quais são as raças de cães que a PM usa? 

São seis raças: Pastor Alemão, Pastor Holandês, Pastor Belga Malinois, Rottweiler, Bloodhound e Labrador. As missões de cada raça são divididas de acordo com suas habilidades específicas, como: faro, resistência, inteligência, agressividade, etc...

Leia também: Polícia Militar Ambiental prende caçador que vendia espetinho de sabiá na praia

Um Labrador, por exemplo, não é indicado para fazer policiamento ostensivo, porque geralmente não possui a agressividade necessária. Normalmente, o Labrador é usado para farejar entorpecentes e explosivos. Já o Pastor Belga Malinois é utilizado pelo Canil da PM para policiamento e também faro. O Bloodhound tem aptidão para busca de pessoas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.