Ocorrência em São Luiz do Paraitinga resultou na prisão em flagrante de onze criminosos pela extração de 40 unidades de palmito juçara

A Polícia Militar Ambiental é vigilante e está em todos os espaços (terra, água e mar) zelando pelo meio ambiente, mas não só por ele. A PMA também realiza operações de combate ao crime contra o patrimônio.

Leia também: "Polícia é remédio para tudo, mas o País precisa é de vacina", diz Mágino Alves

Equipes da Polícia Militar Ambiental prendem quadrilha de palmiteiros
Divulgação/Polícia Militar Ambiental
Equipes da Polícia Militar Ambiental prendem quadrilha de palmiteiros

Mas a ocorrência da Polícia Militar Ambiental que iremos narrar nesta matéria conta a história de uma gravíssima agressão ao meio ambiente que foi realizada dentro de uma unidade de conservação, mais precisamente dentro do núcleo Santa Virginia do Parque Estadual da Serra do Mar, em São Luís do Paraitinga, São Paulo.

"A nossa ocorrência começou com uma denúncia anônima de extração de palmito na mata da região. No início da manhã dessa terça-feira (20), nós montamos uma operação. Eram sete viaturas com 17 PMs ruma a mata", conta o Capitão Medina.

De acordo com o PM, foram aproximadamente 40 minutos até chegar ao parque estadual e mais uma hora andando por uma trilha de mata fechada até encontrar o local onde estavam os criminosos. 

Leia também: COE acaba com a "folia" dos criminosos durante o carnaval no Guarujá

"Andamos pela mata e realizamos um cerco no acampamento dos criminosos. O nosso novo fardamento camuflado foi muito importante no efeito surpresa. Teve um momento em que nossos PMs estavam a meio metro dos palmiteiros e eles não conseguiam nos ver. Acabamos pegando eles de surpresa mesmo", comemora o Capitão. 

Segundo os próprios criminosos, eles tinham chegado ao local naquela manhã por volta das 6h e estavam realizando uma espécie de reconhecimento do terreno quando foram abordados pelas equipes comandadas pelo Capitão Medina. "Eles disseram que iam ficar até dez dias no meio da mata cortando palmito juçara. Eles tinham levado bastante comida e iriam começar a extração nesta quarta-feira. Com eles encontramos alguns palmitos que eles disseram que pegaram porque eram muito grandes", conta o Capitão.

Ao todo, a Polícia Militar Ambiental prendeu 16 homens. Desses, 11 deles foram detidos em flagrante.  "Cinco homens foram presos durante o dia, além dos 11 que pegamos na hora. Nossas equipes ficaram na mata por 24h atrás dos palmiteiros. Eles disseram que iriam levar o material para Juquitiba e lá seria feito o cozimento e o preparo para venda na região da capital do Estado", finaliza o Capitão Medina.

Os palmiteiros foram indiciados por associação criminosa e por causar dano à unidade de conservação, e permaneceram presos à disposição da Justiça. Eles também foram multados em R$ 520 mil pelos danos causados, com agravamento pelo corte das palmeiras juçaras as multas podem chegar a até R$ 1 milhão, após a emissão do laudo técnico do gestor da Unidade de Conservação.

Leia também: Uma demonstração de honestidade em meio a um país emaranhado na corrupção

Riscos do Botulismo

A Secretaria de Estado do Meio Ambiente alerta que consumir palmito de origem desconhecida e sem autorização dos órgãos ambientais e de saúde para comercialização, além de fomentar esse tipo de crime, pode trazer consequências sérias para a saúde humana. A Polícia Militar Ambiental afirma que conta com a colaboração da população para combater esse tipo de crime. As denúncias podem ser feitas através do 190. 


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.