Canil da PM fareja drogas em aterro na baixada santista; assista ao vídeo

Equipes do Batalhão de Choque comandadas pelo Tenente Tongu realizaram operação conjunta com o Gaeco na manhã desta sexta-feira, em São Vicente

O Canil da PM realizou na manhã desta sexta-feira (22), uma operação conjunta com o GAECO (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) para combater o tráfico de drogas na baixada santista, litoral de São Paulo.

Leia também: Correu, farejou, achou: Canil da PM vai desmontando o crime em SP

Foto: Divulgação
Drogas apreendidas pelos cães do Canil da PM durante ação em São Vicente


As três equipes do Canil da PM do Batalhão de Choque que foram enviadas para São Vicente tinham o papel de encontrar os esconderijos dos traficantes da área da comunidade da sambaiatuba. As informações preliminares apontavam que os entorpecentes estavam em uma área muito grande e que dificilmente, sem o apoio dos cães, seriam encontradas.

"Nós tinhamos denúncias que ali na comunidade o pessoal tinha um movimento forte do tráfico. Os suspeitos faziam a separação, a embalagem e também escondiam as drogas em uma área com muito lixo e entulho. Então, o trabalho dos cães era imprescindível para o sucesso de toda a operação, só eles, através do faro, seriam capazes de achar o material", aponta o Tenente Tongu.

De acordo com o Tenente, os Cães Policiais especialistas em rastreio de drogas Aruck (pastor holandês), Debby e Ching (pastores belgas malinois) foram os responsáveis por entrar na área e encontrar os entorpecentes. "Os Cães entraram nesse terreno, uma área bem grande, e acabaram encontrando dentro de sacos plásticos e também em tonéis uma grande quantidade de maconha e um pouco de cocaína. Estava tudo enterrado e os traficantes colocavam entulhos por cima para dificultar o trabalho dos nossos k-9", diz o Tenente Tongu.

Foto: Divulgação/Canil PM
Droga estava escondida dentro de tonéis

Mas ainda faltava "farejar" o dono da droga, o Cão Aruck foi o responsável por achar esse suspeito. Dentro de uma casa que tinham sido informada como sendo do traficante, o pastor holandês encontrou mais uma quantia de drogas. "O Aruck entrou nessa residência e rapidamente rastreou a droga. Assim, o suspeito acabou sendo preso com outros dois homens que já tinham sido capturados dentro da comunidade do sambaiatuba", finaliza o Tenente.

Leia também: 'Se correr, o Canil da PM pega': Batalhão de Choque dá prejuízo ao tráfico em SP

Ao todo, os PMs encontraram 21 quilos de drogas (20 quilos de maconha e outro de cocaína). Os três suspeitos presos foram encaminhados para a DIG de Santos e vão responder por tráfico e posse de arma de fogo.

Assista ao momento em que os cães encontram as drogas:


Você sabe quantos cães trabalham na Polícia Militar? 

O estado de São Paulo possui 25 Canis. No Central, temos 37 cães na ativa, mas no total são cerca de 300. Além de servir de base operacional para as missões na cidade de São Paulo, o Canil Central é onde acontecem todos os cursos de especialização, atualização e reciclagem dos Policiais de todos os canis do estado. É também onde fica o centro veterinário. 

Quais são as raças de cães que a PM usa? 

São seis raças: Pastor Alemão, Pastor Holandês, Pastor Belga Malinois, Rottweiler, Bloodhound e Labrador. As missões de cada raça são divididas de acordo com suas habilidades específicas, como: faro, resistência, inteligência, agressividade, etc... Um Labrador, por exemplo, não é indicado para fazer policiamento ostensivo, porque geralmente não possui a agressividade necessária. Normalmente, o Labrador é usado para farejar entorpecentes e explosivos. Já o Pastor Belga Malinois é utilizado para policiamento e também faro. O Bloodhound tem aptidão para busca de pessoas. 

Leia também: Canil da PM "fareja" todos os tipos de criminosos em São Paulo

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/policia/2017-09-22/canil-da-pm-no-litoral.html