Polícia confirma alarme falso de carro bomba

Polícia de NY confirma que o alarme de carro bomba, que causou a evacuação de dois prédios no centro da cidade, era falso

EFE |

A Polícia de Nova York confirmou que o alarme de carro bomba, que causou a evacuação de dois prédios no centro da cidade, era falso. A rede de televisão "CNN" informou que pouco antes de 0h, pelo horário local, a polícia da cidade recebeu um alerta sobre o automóvel, no qual havia dois bujões de gás, que seu proprietário usava em trabalhos de jardinagem.

A Polícia indicou que um robô com raios X quebrou as janelas do carro, segundo a imprensa. As autoridades, agora, investigam a denúncia. O carro estava em uma zona central da cidade, entre a praça Union Square e a rua 14, muito frequentadas por nova-iorquinos e turistas.

As imagens de televisão mostravam vários veículos do departamento de Bombeiros e da Polícia nova-iorquina isolando a região. A cidade de Nova York vive desde o último dia 1º de maio em situação de alerta máximo, depois que a Polícia foi alertada sobre fumaça que saía de um automóvel estacionado na praça Times Square.

Dentro do carro foram encontrados bujões de propano, gasolina, material pirotécnico e fertilizantes. Dois dias depois foi detido Faisal Shahzad, um americano de origem paquistanesa de 30 anos que estava a bordo de um avião da companhia Emirates Airlines com destino a Dubai.

A Procuradoria Geral o acusou de atividade terrorista com a intenção de matar americanos, além de outros crimes, depois que admitiu que estava envolvido na colocação do veículo bomba, que foi dirigido por ele até a praça.

Após investigações sobre o atentado fracassado, a Promotoria do Distrito Sul de Nova York confirmou na quinta-feira outras três detenções.

"Três indivíduos localizados durante os registros foram colocados à disposição da Justiça por supostas violações da legislação sobre imigração", confirmou um porta-voz da Promotoria, que disse não poder oferecer mais detalhes sobre as identidades dos detidos, já que a investigação continua.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG