Papa fará visitará um Portugal cada vez mais liberal e secular

Juan Lara. Cidade do Vaticano, 10 mai (EFE).

EFE |

Juan Lara. Cidade do Vaticano, 10 mai (EFE).- Bento XVI viaja amanhã a Portugal, onde pedirá pela paz mundial ao visitar Lisboa, Fátima e Porto e se encontrará com um país de grande maioria católica, cada vez mais liberal, muito diferente daquele que o ex-papa João Paulo II havia conhecido. O papa viaja "muito feliz" por se encontrar com o povo português e curvar-se perante Nossa Senhora de Fátima. Bento XVI vai se encontrar com uma "Terra de Santa Maria", como ele mesmo recentemente chamou Portugal, muito diferente em relação àquela visitada pela última vez, há dez anos, pelo papa João Paulo II. Portugal descriminalizou há três anos o aborto e há dois anos o divórcio sem consentimento mútuo. Recentemente, o Parlamento aprovou a legalização de casamentos homossexuais, que só está à espera de sanção do presidente da República, o conservador e católico Aníbal Cavaco Silva. Bento XVI também verá um país que, como outros da Europa, vive uma forte crise econômica e onde avança a secularização do Estado. A respeito da crise e na linha marcada pelo papa em sua encíclica de caráter social, "Caritas in veritate", o arcebispo de Braga e presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, Jorge Ferreira da Costa Urtiga, assegurou à "Rádio Vaticano" que a crise mundial tem raízes muito mais profundas que as econômicas. "Descuidou-se da dimensão intrínseca do ser humano e, portanto, também da sociedade em nome de um relativismo que anula o horizonte da vida humana no âmbito de valores exclusivamente materiais", disse o Pontífice. Segundo o chefe dos bispos portugueses, o papa dirá em seus discursos que, embora seja necessário "olhar o mundo e as condições materiais, existe outra dimensão da vida que se deve descobrir, uma vida radicada nos valores que ensina a Igreja Católica, mas que pertencem a toda a humanidade". Já sobre a secularização do Estado, embora 88,3% dos portugueses se considerem católicos, apenas 49,4% se declara praticante e 26,1% assiste à missa todos os domingos. A tendência de distanciamento dos fiéis com a Igreja afeta também o clero e aqueles que se dedicam à vida religiosa. Segundo dados da Igreja portuguesa, cada vez mais os sacerdotes devem se ocupar de três ou quatro paróquias. O papa já disse que rezará pelos sacerdotes, nos últimos meses no ponto de mira pelos escândalos de clérigos pedófilos em vários países do mundo, protagonizados por uma exígua minoria dos mesmos. A Igreja portuguesa, pelo menos até agora, não se viu afetada por esses casos. O grande escândalo de pedofilia que afetou Portugal nos últimos anos ocorreu em 2002 e afetou a Casa Pia de Lisboa, onde, durante duas décadas, menores de idade sofreram abusos por parte de destacadas personalidades do país, perante a indiferença e o silêncio da instituição ou cumplicidade de alguns de seus responsáveis. A meta da viagem é o santuário de Fátima, visitado anualmente por 5 milhões de turistas. Para o papa, segundo o porta-voz vaticano, Federico Lombardi, Fátima tem "um valor europeu e universal". Em Fátima, Bento XVI falará sobre o chamado "Terceiro segredo" de Nossa Senhora de Fátima - revelado há dez anos e que, segundo o Vaticano, se referia ao atentado sofrido por João Paulo II pelo terrorista turco Ali Agca, em 1981. Bento XVI evocará a figura de Karol Wojtyla (João Paulo II), que gostava muito de Nossa Senhora, aparecida em seis ocasiões aos pastorinhos Lúcia, Francisco e Jacinta em 1917, quando a Europa estava imersa na Primeira Guerra Mundial. Esta é a quinta visita de um papa a Fátima. Paulo VI foi 1967 e João Paulo II em 1982, 1991 e em 2000. Todas as viagens foram realizadas na data de 13 de maio, dia da primeira aparição de Nossa Senhora. Dessa vez, completam-se dez anos da beatificação de Francisco e Jacinta Marto e cinco da morte de Lúcia. EFE jl/sa

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG