A disputa do Oscar 2010 parece polarizada entre Avatar e Guerra ao Terror, até pela guerra conjugal de marido (James Cameron) e ex-mulher (http://ultimosegundo.ig.com.br/cultura/2010/02/04/kathryn+bigelow+pode+ser+primeira+mulher+a+ganhar+o+oscar+de+direcao+9387226.htmlKathryn Bigelow), mas a categoria de melhor diretor desta edição guarda outra novidade importante. É a segunda vez na história (depois de John Singleton, em 1991) em que um cineasta negro é indicado ao prêmio. Trata-se de Lee Daniels, 50 anos, também produtor do aterrorizante drama Preciosa, um dos dez concorrentes da estatueta de melhor filme, que estreia nesta sexta-feira (12).

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=ultimosegundo%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237947617006&_c_=MiGComponente_C

Getty Images

Lee Daniels e a atriz Gabourey Sidibe na premiação do Sindicato dos Diretores

Daniels tem uma história de vida curiosa e engajada. Nascido na Filadélfia, sofreu desde cedo o preconceito do pai, policial, por sua homossexualidade. "Ele me batia. Sei que me amava, mas achava que um cara negro e gay não ia sobreviver", disse o diretor ao The New York Times. "Meu pai podia ter ido para a prisão pelo que me fez, mas ao mesmo tempo me tornou durão. Eu nunca desisto. Nunca mesmo."

Decidido a trabalhar com cinema, se mudou para Los Angeles ainda jovem, na década de 1980. Sem perspectivas na área e percebendo um mercado emergente, Daniels usou a herança que recebeu de um namorado para abrir uma empresa de enfermagem em Hollywood, com atendimento personalizado, em casa. O negócio prosperou e com 21 anos já era milionário.

Getty Images

Halle Berry com o Oscar por "A Última
Ceia": filme foi produzido por Daniels

O tino empresarial apurado fez Daniels enveredar pelo ramo de casting de atores. Não demorou para ele acumular contatos e em pouco tempo estava trabalhando ao lado de Prince em "Purple Rain" e "Sob O Luar da Primavera", além de ter sob sua tutela a carreira de gente como Nastassja Kinski e Morgan Freeman.

Influente, abriu sua própria produtora, a Lee Daniels Entertainment, disposto a reverter a imagem estereotipada dos negros no cinema. "Os estúdios só abrem a porta se você tiver um filme de gueto ou uma daquelas comédias idiotas", criticou. Bem longe disso, "A Última Ceia" (2001), estreia da empresa, trata de racismo e de cara fez história: garantiu a Halle Berry o primeiro Oscar de melhor atriz a uma mulher negra.

O tom continuou sombrio com o elogiado "O Lenhador" (2004), no qual Kevin Bacon interpreta um pedófilo, e daí Daniels resolveu pular para atrás das câmeras, sem, no entanto, deixar a produção de lado. O primeiro compromisso foi uma campanha encomendada por Bill Clinton para estimular o voto de negros à Presidência, estrelada pelo rapper LL Cool J e pela cantora Alicia Keys. Pouco depois, assumiu seu primeiro longa-metragem.

O resultado foi o thriller "Matadores de Aluguel" (2006), que, apesar do elenco conhecido ¿ Cuba Gooding Jr., Helen Mirren, Joseph Gordon-Levitt ¿ não chamou atenção, talvez pela história bizarra: uma assassina (Mirren) descobre que está com câncer e decide assumir um último trabalho ao lado do enteado e amante (Gooding Jr). O longa serviu para unir pela primeira vez Daniels e a apresentadora Mo'Nique, cujo personagem já dava uma pista do que viria: seu nome era Preciosa.

Getty Images

Lee Daniels, Mariah Carey e Lenny Kravitz no Festival de Cannes, em 2009

O projeto era a adaptação para os cinemas do best-seller "Push", versão ficcionalizada da experiência da performer e poetisa Sapphire como educadora nos bairros pobres de Nova York. A história da adolescente obesa, grávida pela segunda vez do pai e abusada pela mãe, apesar de cruel, tinha apelo universal e lembrava a infância conturbada do diretor: um de seus irmãos passou anos preso por tráfico, sua irmã era gorda e viciada ("ela vivia com uma asa de galinha numa mão e um cachimbo de crack na outra") e Daniels admite ter feito sua cota de pequenos furtos.

Getty Images

Oprah Winfrey: parceira de "Preciosa"

Como nenhum estúdio queria investir num filme sem apelo popular, a produção de US$ 11 milhões ocorreu aos trancos e barrancos e foi interrompida duas vezes por falta de dinheiro. Uma das atrizes de "Preciosa", Mariah Carey se apresentou em eventos na casa de Daniels para angariar fundos. Escalar cantores, aliás, é uma mania do diretor em seus projetos: já passaram por suas mãos Sean "Puff Daddy" Combs, Mos Def, Macy Gray e Lenny Kravitz (o roqueiro faz uma ponta em "Preciosa" e deve protagonizar o próximo filme de Daniels, "Iced").

A redenção de "Preciosa" começou no Festival de Sundance, no início do ano passado, do qual saiu vencedor. Ainda sem distribuição garantida, o filme ganhou dois aliados de peso ¿ a apresentadora Oprah Winfrey e o ator Tyler Perry ("Diário de Uma Louca"), dois milionários do entretenimento negro nos EUA. A dupla entrou no projeto como produtores executivos e logo depois o longa-metragem foi comprado pela Lionsgate.

A partir daí, "Preciosa" caiu nas graças da crítica e seguiu uma carreira badalada em festivais (inclusive Cannes) e premiações de melhores de 2009. É pouco provável que o filme ganhe outro Oscar que não seja o de atriz coadjuvante para Mo'Nique. A janela para Daniels, porém, deve permanecer aberta por muito, muito tempo. Você ainda vai ouvir falar dele.

Leia as últimas notícias do Oscar 2010

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.