Ajami reside no trabalho do elenco amador - Oscar 2013 - iG" /

Indicado por Israel, força de Ajami reside no trabalho do elenco amador

O cineasta israelense Yaron Shani, um dos diretores de Ajami, indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, assegura que o trabalho dos atores amadores é a grande força do longa.

EFE |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=ultimosegundo%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237947717070&_c_=MiGComponente_C

Divulgação

Atores do israelense "Ajami" não leram roteiro até o momento da filmagem

"'Ajami' não seria o que é se tivéssemos utilizado atores profissionais", diz Shani sobre seu primeiro longa-metragem, que compete no próximo domingo com "O Segredo dos Seus Olhos (Argentina)", "O Leite da Amargura" (Peru), "O Profeta" (França) e A "Fita Branca" (Alemanha).

O brasileiro "Salve Geral", de Sérgio Rezende, foi o escolhido para representar o país no Oscar, mas não ficou entre os finalistas selecionados para disputar a estatueta.

Em entrevista à Agência Efe no restaurante Babai, um dos pontos-chave de "Ajami", Shani, que dirige o longa ao lado de Scandar Copti, afirma que o método usado para rodar o filme permite que os atores façam uma representação incrível sem serem profissionais. "Só era preciso uma identificação profunda com o personagem", explica.

Os cineastas tornaram atores os moradores do maltratado bairro de Ajami, um subúrbio de Jaffa, cenário durante duas horas de uma sucessão de tensões sociais, assassinatos e dramas em um ambiente de imigração ilegal, amores proibidos e tráfico de drogas.

Rodado em árabe e hebraico, o filme conta através de saltos temporais um emaranhado de histórias de, como diz o próprio diretor, "gente que confronta a realidade e que faz parte de um mundo segregado".

Segundo o diretor, a força da interpretação está no fato de que os atores "não conheciam o roteiro antes de rodar a cena nem sabiam o que ia acontecer, mas reagiam exatamente como o texto pedia, ainda que com suas próprias palavras".

"No filme ninguém chora porque pedimos que chore. Tudo sai de seus corações, tudo era improvisado. Assim obtivemos um filme de ficção que ao mesmo tempo é algo real", conta Shani.

Apenas quatro dos 150 moradores do bairro que participaram do filme tinham recebido informações, em pouca quantidade, dos personagens que viveriam.

Leia as últimas notícias do Oscar 2010

    Leia tudo sobre: cinemaoscar

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG