Drama de cantor country pode dar Oscar a Jeff Bridges

Hollywood nunca escondeu sua queda por histórias de superação e, pelo menos nos últimos anos, tem revelado certa predileção por papeis que retratam personalidades reais - de seus cinco últimos prêmios de melhor ator, apenas o de Daniel Day-Lewis, em 2008, escapa dessa regra.

Guss de Lucca, iG São Paulo |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=ultimosegundo%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237947603277&_c_=MiGComponente_C

Forte concorrente a estatueta na cerimônia do ano passado, Mickey Rourke tinha tudo para levar o prêmio, mas apenas um problema: a história errática do personagem Randy "The Ram" Robinson, de O Lutador, era parecida demais com a do ator - e a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas optou por não premiar o "mau comportamento" de Rourke.

Este ano, porém, as regras que tanto a organização como os votantes vêm seguindo devem virar pó nas mãos de Jeff Bridges, forte candidato ao trofeu desta edição. Até agora o ator ganhou cinco prêmios pelo papel no drama "Coração Louco", entre eles o Globo de Ouro de melhor ator dramático e o prêmio do sindicato dos atores (SAG).

Divulgação

O papel do cantor alcoólatra em "Coração Louco" rendeu ótima críticas a Jeff Bridges

Mas por que mesmo com atores como Morgan Freeman, que interpreta o ex-presidente Nelson Mandela em "Invictus", e Colin Firth, que faz um homossexual em luto no drama "Direito de Amar", Bridges segue como favorito?

Getty Images

Jeff Bridges com seu Globo de Ouro

A primeira razão é Bad Blake, o cantor country alcoólatra que ele vive em "Coração Louco". Inspirado em ícones do folk norte-americano como Willie Nelson, Waylon Jennings e Johnny Cash, o drama conta a história de um artista de indiscutível talento que se deixa abater por seus vícios e fraquezas.

Na trama, o músico de 57 anos é surpreendido por uma nova paixão e a possibilidade de retomar a carreira de sucesso, abandonando sua atual sobrevida, que se resume a tocar em pequenos bares por cachês baixos. Isso, é claro, se não estragar as duas coisas por conta da bebida e do comportamento errôneo.

Já a segunda razão é o próprio Jeff Bridges. Boa praça, o ator transita com facilidade pelos mais diversos estilos - do drama histórico "Seabiscuit - Alma de Herói" ao blockbuster "Homem de Ferro"; da ficção "Tron" ao cult "O Grande Lebowski" - e é querido por nomes distintos da classe artística - como John Carpenter, Terry Gilliam e os Irmãos Coen.

Divulgação

Dois momentos curiosos: o alienígena de "Starman" e o hippie de "O Grande Lebowski"

Além disso, Bridges já foi indicado quatro vezes ao Oscar. Três na categoria de ator coadjuvante, por "A Última Sessão de Cinema" (1971), "O Último Golpe" (1974) e "A Conspiração" (2000), e uma na categoria principal pelo drama de ficção "Starman - O Homem das Estrelas" (1984).

Se a estatueta chegar, nada de discursos inflamados ou políticos. Muito provavelmente Bridges voltará a conversar com o pai, o falecido ator Lloyd Bridges, responsável pela opção do filho pela carreira artística. "Estou tão feliz por ter ouvido você, pai", disse ele, olhando para cima, no discurso de agradecimento pelo Globo de Ouro. Ao que tudo indica, o público também.

"Coração Louco" tem estreia prevista para 5 de março no Brasil.

Leia as últimas notícias do Oscar 2010

    Leia tudo sobre: coração loucojeff bridgesoscar

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG