Oposição propõe ação contra Lula por pronunciamento

PSDB, DEM e PPS vão entrar na Justiça Eleitoral contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva na próxima segunda-feira, informaram hoje os líderes dos três partidos que integram a coligação da pré-candidatura de José Serra (PSDB) à Presidência.A oposição reclama da atitude de Lula que, segundo avaliação de seus presidentes, utilizou a cadeia de rádio e TV para fazer propaganda eleitoral, e não pronunciamento à população por conta do Dia do Trabalho, comemorado amanhã.

iG São Paulo |

PSDB, DEM e PPS vão entrar na Justiça Eleitoral contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva na próxima segunda-feira, informaram hoje os líderes dos três partidos que integram a coligação da pré-candidatura de José Serra (PSDB) à Presidência.

A oposição reclama da atitude de Lula que, segundo avaliação de seus presidentes, utilizou a cadeia de rádio e TV para fazer propaganda eleitoral, e não pronunciamento à população por conta do Dia do Trabalho, comemorado amanhã.

Ao falar em rede nacional ontem, Lula exaltou resultados de sua gestão, defendeu a continuidade e disse que o atual modelo de governo pertence ao povo, "que saberá aprofundá-lo com trabalho honesto e decisões corretas". Em tom de primeira despedida, afirmou que o brasileiro não desperdiça oportunidades e saberá conduzir o País no rumo certo. "Houve ilícito administrativo e eleitoral", avaliou o advogado do PSDB, Ricardo Penteado, que assina a representação contra Lula no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Futuro líder do PSDB no Senado, ¿?lvaro Dias (PR) subiu à tribuna, logo pela manhã, para reclamar do que chamou de propaganda "explícita e escancarada". "As afirmações do presidente são uma afronta à Lei", disse. "Aquilo não foi uma campanha subliminar. Foi campanha escancarada, proselitismo a favor da candidata dele (a ex-ministra Dilma Rousseff) e uso da máquina pública", afirmou Dias.

Presidente do DEM, o deputado Rodrigo Maia (RJ) classificou o pronunciamento do presidente como um "discurso político". "Aquilo foi um verdadeiro horário eleitoral gratuito. O presidente deveria ter feito aquele discurso no dia 13 de maio, quando vai ao ar o programa do PT, e não no pronunciamento do Dia do Trabalho", afirmou.

O presidente nacional do PPS, ex-senador Roberto Freire, também fez coro. Disse que apenas uma multa a Lula não basta e que a oposição deveria ter tempo semelhante na TV. "Aquele é um tipo de pronunciamento que exige liturgia com a Presidência da República. Não pode se transformar em uma propaganda eleitoral. É um desrespeito usar o cargo para fazer isso."

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG