ONU teme disputas por rotas de drogas em países da África Ocidental

México, 7 mai (EFE).- A ONU expressou hoje o medo de que países da África Ocidental se tornem violentos como consequência do narcotráfico, como no México - onde quase 23 mil pessoas morreram em pouco mais de três anos -, caso haja conflitos pelo controle das rotas do tráfico de cocaína procedente da América do Sul.

EFE |

México, 7 mai (EFE).- A ONU expressou hoje o medo de que países da África Ocidental se tornem violentos como consequência do narcotráfico, como no México - onde quase 23 mil pessoas morreram em pouco mais de três anos -, caso haja conflitos pelo controle das rotas do tráfico de cocaína procedente da América do Sul. "No México, os cartéis lutam pelo controle das rotas. O mesmo poderia acontecer na África, pelo controle da 'rota africana', dos depósitos, dos serviços. Envolve muito dinheiro", disse hoje à Agência Efe Antonio Luigi Mazzitelli, representante para México e América Central do Escritório da ONU contra a Droga e o Delito (UNODC). Desde os anos 80, organizações lideradas, sobretudo, por nigerianos traficam heroína e cocaína através de redes pouco estruturadas, mas muito eficazes e rápidas. A partir dos anos 90, a rota começou a interessar, principalmente, traficantes colombianos, que tinham perdido terreno para os mexicanos no mercado americano e preferiam buscar novos canais de distribuição para sua cocaína rumo à Europa passando pela África Ocidental. A droga sai da Bolívia, Colômbia ou Peru, cruza a Venezuela ou o Brasil e termina em países como Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Conacri, Benin e Gana, entre outros. Segundo Mazzitelli, países com Estados "fracos, mas estáveis" eram os alvos, o que descartava os que passavam por guerras civis ou conflitos internos de intensidades variáveis, como Costa do Marfim, Libéria e Serra Leoa. Em alguns países há uma crescente "concorrência entre provedores", que "pode claramente resultar em um possível cenário de enfrentamento violento" entre grupos criminosos "para assegurar o monopólio dos serviços oferecidos aos latino-americanos", segundo o funcionário da ONU. Mazzitelli ressaltou uma mudança de paradigma já que, apesar de antes o narcotráfico na África ser um "negócio sem uma conotação violenta" associada a ele, como a que existe no México, e na América Central e do Sul, atualmente há um perigo de desestabilização. EFE act/pd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG