ONU: morte materna é um "silencioso escândalo"

Secretário-geral da entidade conclamou países à ação

EFE |

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, fez hoje uma chamada internacional para acabar com o "silencioso escândalo" do grande número de mulheres que morrem durante o parto nos países em desenvolvimento.

Ban foi a Washington para inaugurar a conferência internacional Women Deliver, na qual participam 3,5 mil especialistas em saúde maternal de 140 países, além de personalidades como a ex-presidente chilena Michelle Bachelet e a representante da Fundação Bill e Melinda Gates, Melinda Gates.

Na abertura da conferência, o secretário-geral se referiu diretamente ao problema, que pode ser evitado nos países em desenvolvimento se forem aplicadas determinadas rotinas médicas, como a limpeza das salas de parto e a presença de parteiras com experiência. Segundo ele, o mundo deve se mobilizar para atingir o objetivo até 2015 de evitar a morte de 10 milhões de mulheres e de seus filhos a cada ano durante o parto.

Neste sentido, Ban apela para que diferentes setores se comprometam com a luta contra o problema, que será um dos temas centrais da Cúpula dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio da ONU, que acontecerá em setembro, em Nova York. O secretário-geral explicou algumas das medidas que podem ser adotadas para atenuar o problema.

"Um simples exame de sangue, consulta médica e uma assistência qualificada no momento do parto são pontos que podem fazer uma grande diferença". As mulheres fazem com "que o nosso mundo funcione" e, por isso, devemos evitar que elas tenham problemas de saúde, afirmou Ban.

Segundo a ONU, a mortalidade das mulheres e dos recém-nascidos tem um grande impacto na economia mundial, pois gera perda de produtividade de cerca de US$ 15 bilhões anuais. Na cúpula que será realizada em setembro, o secretário-geral buscará apoio para lançar um plano no qual serão abordadas diferentes medidas, como o combate a doenças como a malária, a tuberculose e a aids.

Outras medidas serão investir na vacinação infantil e fornecer ajuda para o planejamento familiar e atendimento médico às mães e aos recém-nascidos, uma iniciativa que custa apenas US$ 4,50 per capita ao ano e pode salvar 70% das mulheres e 44% das crianças que morrem no parto.

    Leia tudo sobre: mortalidade maternaonu

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG