OAB-MT quer afastamento imediato de juiz acusado de pedofilia

Presidente da Ordem, Cláudio Stábile, considera medida fundamental para a lisura do processo de investigação

Kelly Martins, iG Cuiabá |

Suspeito de abusar sexualmente de adolescentes, o juiz da Comarca de Paranatinga Fernando Márcio Marques de Sales deve ser afastado imediatamente do cargo.

Essa é a opinião do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil de Mato Grosso (OAB-MT), Cláudio Stábile, ao adiantar ter solicitado o afastamento à Corregedoria do Tribunal de Justiça do Estado (TJMT).

“A medida (o afastamento do juiz) deve vigorar até o final do processo de investigação, até para garantir sua lisura”, acrescentou.

Stábile cobra agilidade na apuração do caso devido à gravidade das denúncias feitas ao Ministério Público Estadual (MPE) pelas vítimas.

Fernando Márcio é acusado de pedofilia e de oferecer dinheiro em troca de relações sexuais com adolescentes de bairros periféricos do município.

O presidente da OAB-MT argumenta que ao afastamento deve ser mantido até a conclusão do processo de investigação.

Na contramão desse pensamento, porém, o corregedor-geral de Justiça, desembargador Manoel Ornellas, determinou a transferência do juiz para a Comarca do município de Cotrigaçu, distante 950 quilômetros de Cuiabá.

Stábile avaliou, ainda, que a transferência servirá para que as testemunhas do crime não se sintam intimidadas com o fato de o juiz ainda atuar na comarca do município.

"São fatos muito graves e sérios e, por isso, é preciso de uma atuação rápida da corregedoria", frisou.

Depoimentos de adolescentes revelaram que juiz oferecia dinheiro e objetos, como computadores, em troca de relações sexuais.

A menor de idade B.J contou ter arrumado quatro amigas para sair com o magistrado.

    Leia tudo sobre: Eleições MTEleições Pedofilia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG