"Nu nem passou pela minha cabeça”, diz professora exonerada

Wanda Pinheiro dos Santos afirma que não incentivou aluno a tirar roupa em sala de aula; ela vai tentar reaver o cargo na Justiça

Wilson Lima, iG Maranhão |

A professora Wanda Pinheiro dos Santos, exonerada essa semana acusada de ter incentivado alunos a tirar a roupa durante uma aula de História da Arte, afirmou nesta sexta-feira (26) que nunca pensou em utilizar o nu artístico como recurso de aula em suas aulas. Ela promete ingressar na Justiça para ser novamente readmitida e disse que a interpretação do que aconteceu em sala de aula foi um grande “mal entendido”. O caso ocorreu na Unidade Escolar Augusto Veloso, na cidade de Luis Correia, distante 348 quilômetros de Teresina.

Em 15 de abril do ano passado, a professora ministrava uma aula de História da Arte e falava sobre os períodos clássico, arcaico e helenístico, quando perguntou a um aluno se ele mostraria o corpo para que os outros alunos o desenhassem. Nesse momento, segundo Wanda Santos, ocorreu o “mal entendido”. O aluno, na versão dela, em vez de responder, brincou com a turma e levantou a blusa e baixou a calça sem a sua autorização. “Mas para não constranger o aluno, não o repreendi na hora. Fiz depois de alguns instantes até porque a turma riu da situação”, disse a professora. “Os alunos riram da situação mas uma aluna se sentiu ofendida. Depois disso, eu encerrei o exercício falando do respeito ao direito de cada um”.

Toda a polêmica surgiu quando uma aluna gravou as imagens durante aquele dia em um aparelho de celular e depois os vídeos acabaram nas mãos dos conselheiros tutelares de Luis Correia e após uma diretora da escola flagrar o momento em que o aluno estava quase sem roupas na sala. Três dias depois, a professora foi afastada da escola. “Nem mesmo quando eu cursava a universidade, nós utilizamos pessoas nuas como recurso didático. Eu nunca incentivaria essa prática com crianças”, afirmou Santos.

A professora passou a ser alvo de um procedimento administrativo disciplinar e a comissão da Secretaria Estadual de Educação do Piauí classificou como gravíssimo o comportamento da docente. Segundo o procedimento administrativo, ela infringiu dois artigos do Estatuto dos Servidores Públicos do Estado do Piauí e do Estatuto do Plano de Cargos Carreiras e Salários dos Trabalhadores em Educação do Estado.

A sua exoneração foi publicada na segunda-feira desta semana (22) mesmo após a professora ter aceitado um acordo com a Justiça de Luis Correia, segundo o qual ela se comprometeria a dar aulas de educação sexual para alunos do ensino fundamental. Seus advogados agora buscam inverter a decisão do governo do Estado porque ela não foi oficialmente comunicada antes da publicação de sua demissão no Diário Oficial do Estado.

Durante esse período de pouco mais de um ano, Wanda se dedicou à cursos de pós-graduação e tudo que ela deseja agora é voltar para a sala de aula. “Esse episódio teve seu lado positivo. Mostrei em outras turmas valores como respeito e ética. Os alunos me apóiam e já fui aplaudida em sala. Agora, quero apenas voltar e continuar o trabalho que comecei com os meus alunos. Não tenho medo de voltar para a mesma escola. Pelo contrário, faço questão por tudo o que já aconteceu”, disse a professora Wanda dos Santos.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG