"Nasci para ser pobre", diz Pedro Simon

Senador gaúcho pediu, vai receber e se diz contra a aposentadoria especial por ter governado o Rio Grande do Sul

Daniel Cassol, iG Rio Grande do Sul |

Conhecido como um político “franciscano”, que não acumulou bens durante a carreira, o senador Pedro Simon (PMDB-RS) poderá adotar uma nova alcunha. Tal como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que se definiu como uma "metamorfose ambulante", Simon pediu - e recebeu -  aposentadoria especial para ex-governadores, de R$ 24,1 mil. Ele solicitou o benefício em novembro do ano passado, 20 anos depois de deixar o cargo de governador do Rio Grande do Sul. Detalhe: apesar de pedir a aposentadoria, ele se diz contra o benefício. Disse que só pediu por absoluta necessidade.

Divulgação
Pedro Simon, senador pelo PMDB-RS
Ele afirma que decidiu receber a aposentadoria porque o salário de senador estava ficando aquém das suas necessidades, por causa dos seus gastos pessoais e com a família. O senador não recebe a verba indenizatória do Senado, de R$ 18 mil, ficando com o salário de R$ 16 mil. Ele diz que, caso saia do Senado, vai ter de procurar uma casa para morar. Segundo o senador, ele não tem casa própria.

“Durante 20 anos não recebi um telefonema me perguntando. Agora que vou receber, não paro de atender ligações”, reclama o senador, em tom bem-humorado, em entrevista ao iG. Com a repercussão negativa, o senador diz que irá fazer um pronunciamento no Senado, após a abertura dos trabalhos no Congresso. “Não tenho absolutamente nada e vivo da política”, destaca.

No Rio Grande do Sul, todos os ex-governadores recebem a aposentadoria. Yeda Crusius (PSDB) já fez a solicitação e deve começar a receber a pensão a partir de fevereiro. Durante a campanha eleitoral, o atual governador Tarso Genro (PT) defendeu uma “aposentadoria modesta” para os ex-governadores.

Simon acredita que a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) sairá vitoriosa da ação no Supremo Tribunal Federal (STF), que tenta abolir a aposentadoria especial. Motivo? Destino. “Nasci para ser pobre”, afirma o senador. “A aposentadoria durou até eu começar a receber”. Leia abaixo os principais trechos da entrevista:

iG - Por que o senhor decidiu passar a receber a aposentadoria para ex-governadores?

Pedro Simon - Em 20 anos, nunca recebi a aposentadoria. Também tenho direito a uma aposentadoria de deputado estadual, mas não recebo. Neste tempo, o Senado e a Câmara dos Deputados dividiram os salários com uma verba de compensação. É uma forma de driblar a lei, porque essa verba não paga Imposto de Renda. Com o tempo, foram congelando o aumento dos salários de senador e a outra verba passou a ser maior que o salário. Assim, fiquei em uma situação difícil. Há 16 anos não pago o valor de R$ 3,5 mil para ter direito à aposentadoria de senador, porque ficaria com R$ 6,5 mil para viver [o senador leva em conta os R$ 10 mil de salário líquido]. Quando me aposentar, ganharia menos da metade. Se tenho direito, recebo a aposentadoria de governador e largo a aposentadoria do Senado.

O senhor já está pensando em sua aposentadoria.

Vou me aposentar daqui a quatro anos. Tenho um guri de 16 anos, mais uma enteada de sete. Além da minha viúva. Não tenho casa própria, nem outra fonte de renda.

O que o senhor acha da intenção da OAB, em derrubar a aposentadoria?

Estão dizendo que a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) vai entrar no Supremo Tribunal Federal Acho que a OAB, se entrar, vai ganhar. Porque nasci para ser pobre. Agora que entrei, vai terminar. Se terminar, terminou. Nunca pensei em receber mesmo. Foi pela situação apertada em que fiquei. Não tenho casa própria. Se eu sair de Brasília, tenho que ver onde morar. Depois que minha mulher morreu, minha casa ficou em nome dos meus filhos. Não sabia que iria casar de novo, ter filho e adotar um. Preciso até ver uma moradia.

O senhor é conhecido por ser um político que não enriqueceu na política. Não acha que essa imagem ficará manchada com essa decisão?

Em tese, não. O comentário, sim. Está todo mundo falando. Durante 20 anos não recebi um telefonema me perguntando. Agora que vou receber, não paro de atender ligações. Vou ter que explicar muito direitinho. Em março, farei um pronunciamento no Senado dizendo que não tenho absolutamente nada e vivo disso.

Qual sua opinião sobre a aposentadoria a ex-governadores?
Não vejo com simpatia, tanto que nunca recebi. Mas está aí. Se terminar, não vou ficar chateado. Tanto é que acho que vai cair. Nasci para ser pobre. A aposentadoria durou até eu começar a receber.

    Leia tudo sobre: Rio Grande do SulPedro SimonSenadoaposentadoria

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG