Zona do euro aprova plano de ajuda financeira à Grécia

Líderes dos 16 países que usam o euro como moeda aprovaram, nesta quinta-feira, em Bruxelas, o plano franco-germânico para ajudar financeiramente a Grécia, que prevê empréstimos bilaterais e do Fundo Monetário Internacional (FMI). O plano foi anunciado após um encontro entre o presidente francês, Nicolas Sarkozy, e a chanceler alemã, Angela Merkel, que antecedeu a cúpula da União Europeia.

BBC Brasil |

Pelo acordo, a ajuda só será concedida à Grécia se o país não conseguir captar o dinheiro em empréstimos por outros canais, no mercado financeiro.

Após o anúncio do apoio dos outros países da zona do euro, o primeiro-ministro grego, George Papandreou, classificou o plano de resgate como "muito satisfatório".

Segundo o presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, o acordo é significativo "não apenas para a Grécia, mas para a estabilidade da zona do euro".

Já o presidente da Comissão Europeia, órgão executivo do bloco, Jose Manuel Barroso, disse que estava "extremamente feliz" pelo acordo, que classificou como "a decisão certa".

O déficit público da Grécia, de 12,7% do PIB, é mais de quatro vezes maior do que o permitido pelas regras impostas aos 16 países da União Europeia que adotam o euro.

Regras
Até antes do anúncio, a Alemanha vinha resistindo publicamente à pressão de outros países europeus para concordar com um pacote de ajuda aos gregos.

Mas nesta quinta-feira, Merkel indicou que a Alemanha aceitaria ajudar os gregos, mas desde que a medida fosse nos termos defendidos pela Alemanha, na forma de "ajuda emergencial combinando o FMI e auxílio bilateral da zona do euro, mas apenas como último recurso".

Segundo o correspondente da BBC Jonny Dymond, a participação do FMI na ajuda à França encontrava a resistência da França e de outros países europeus, que queriam que apenas europeus integrassem o pacote.

Dymond ressaltou que o que ficou acertado entre França e Alemanha é como deve ocorrer a ajuda aos gregos, mas ainda não está claro quando isso ocorreria.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG