Zimbábue pode despencar por inteiro, diz presidente sul-africano

Johanesburgo, 24 nov (EFE).- O Zimbábue pode despencar se não se atuar imediatamente para solucionar a crise política e econômica que afeta o país, disse hoje aos jornalistas o presidente da África do Sul, Kgalema Motlanthe.

EFE |

Após um encontro com o ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan, o ex-presidente dos Estados Unidos Jimmy Carter e a ativista de direitos humanos Graça Machel, Motlanthe ressaltou que, caso não se forme, um Governo legítimo no Zimbábue, "a situação humanitária piorará, explodirá e derrubará tudo ao mesmo tempo".

O ex-presidente sul-africano Thabo Mbeki, mediador para a crise do Zimbábue da Comunidade para o Desenvolvimento da África Meridional (SADC), tenta acordar um encontro na África do Sul, possivelmente para amanhã, entre representantes do Governo e a oposição, para retomar a negociação sobre um Executivo de união nacional.

No entanto, a imprensa sul-africana aponta que o opositor Movimento para a Mudança Democrática (MDC), liderado por Morgan Tsvangirai, poderia não atender a este pedido, por considerar que a SADC não é imparcial e favorece a governamental União Nacional Africana do Zimbábue-Frente Patriótica (Zanu-PF), do presidente Robert Mugabe,desde 1980 no poder.

Mugabe negou a entrada no país de Annan, Carter e Machel, que na sexta-feira tentavam visitá-lo, em missão humanitária, como representantes do "Grupo dos Sábios", analistas na resolução de problemas internacionais.

A ONU advertiu que 5 milhões de pessoas, dos cerca de 12 milhões de habitantes do país, precisarão de ajuda alimentícia para o janeiro.

Além disso, a inoperância do sistema sanitário pode criar uma situação muito grave, quando pelo menos 300 pessoas já morreram por uma epidemia de cólera que não se está atendendo por falta de meios, segundo a Organização Mundial da Saúde.

O próprio Annan pediu hoje aos líderes africanos que ajudem a conter a epidemia de cólera surgida no Zimbábue, que pode afetar não só o país, como se estender para fora de suas fronteiras.

A economia do Zimbábue está em um absoluto caos, sem provisão de alimentos e outras mercadorias essenciais, mais de 80% de desemprego e uma inflação astronômica, que oficialmente alcança os 231.000.000% neste ano, pelo que a moeda local perdeu totalmente seu valor - fazendo o Governo cortar dez zeros dela, já que as calculadoras eram insuficientes para as contas em trilhões - e a população, seu poder aquisitivo. EFE cho/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG